Não vai ter cópula

Mais atrasados que os preparativos para a Copa do Mundo, só os protestos contra a Copa do Mundo. Enquanto o vexame era gestado, não houve passeata. Foram sete anos de preparação para a bagunça com requintes de exibicionismo – como a gerente de negociatas Rosemary Noronha cuidando dos aeroportos brasileiros. Ninguém foi para a rua gritar contra nada disso, estava tudo bem. Terminada a feira de omissões, desvios, picaretagem implícita e explícita, desmentidos mentirosos e remendos constrangedores, os revolucionários avisam que não vai ter Copa.

Alguém precisa avisar aos quixotes retardatários que vai ter Copa. E a Copa começará em 12 de junho, Dia dos Namorados. Os rebeldes contra tudo isso que aí está terão mais chances de êxito se forem desfilar na porta dos motéis, no dia 12, gritando: “Não vai ter cópula”.

Onde estavam esses brasileiros indignados quase um ano atrás, quando o Congresso Nacional, num de seus biscates para o governo popular, engavetou o pedido de CPI da Copa? Não se viu um mascarado, um ninja, um sindicalista, um grupelho do Facebook interrompendo o trânsito ou a rotina tranquila dos nobres parlamentares. No golpe do corintiano Luiz Inácio, de mãos dadas com as distintas CBF e Fifa – que desclassificou o Morumbi e arrancou R$ 1 bilhão do BNDES para erguer um Itaquerão novo em folha -, também não se ouviu um único justiceiro gritando que não teria Copa. Ali, ainda havia três anos pela frente para melar a competição internacional por improbidade administrativa.

Mas não havia o essencial: o circo da Copa montado para os revolucionários desfilarem diante dos flashes e holofotes, com o Brasil e o mundo vendo. Mobilização na baixa temporada dá muito trabalho e pouca mídia. É bem melhor chutar e socar o ônibus que leva a Seleção Brasileira para a preparação final na Granja Comary, a duas semanas do início da Copa. Aí, a revolução não tem como passar despercebida.

Onde estavam esses brasileiros indignados quase um ano atrás, quando o Congresso Nacional, num de seus biscates para o governo popular, engavetou o pedido de CPI da Copa?

O mais interessante no vandalismo contra o ônibus da Seleção no Rio de Janeiro foi a comissão de frente do protesto: os autores dos socos e chutes eram professores. É a imagem-síntese dessa corrente “Não vai ter Copa”. Que outra cena poderia expressar melhor a estupidez e a ignorância de um movimento do que professores falando o idioma da pancada? O slogan poderia ser até substituído por “Não vai ter aula”, ou “Aulas nunca mais”, porque não se pode conceber que essas criaturas sejam capazes de ensinar nada de útil a ninguém. No máximo, poderão ensinar seus métodos ao sindicato dos leões de chácara.

Dilma Rousseff declarou que os aeroportos nacionais não são “padrão Fifa”, mas “padrão Brasil”. É comovente ver uma governante (ou governanta), num jato de sinceridade, admitir publicamente que seu projeto nacional é a pindaíba. Ou melhor: a pindaíba para a população ordinária que não tem estrelinha no peito – porque o caixa do PT, como se sabe, está forrado, e os companheiros passam muito bem, obrigado. Saibam os críticos que os aeroportos padrão Brasil não chegaram a esse nível de excelência do dia para a noite, não. Foi necessário um longo trabalho de parasitismo comandado por Rosemary na Agência Nacional de Aviação Civil, para postergar a privatização do setor, de modo que ele não prejudicasse o balcão de negócios privados e o tráfico de influência, sob o comando firme da protegida de Lula e Dilma.

A conquista do padrão Brasil/PT para os aeroportos e para a infraestrutura nacional como um todo – incluindo as ruínas do setor elétrico e da Petrobras – tem, como sócios fundadores, os militantes do movimento “Não vai ter Copa”. Se sua revolta contra o derrame de dinheiro público nos estádios bilionários é real, se sua ira contra a vagabundagem governamental na preparação viária do país é real, eles contribuíram decisivamente para o desastre com sua omissão nesses anos em que ele foi gestado. Mas, se o movimento for um rebotalho de oportunistas, lunáticos, malandros sindicais e espíritos de porco em geral, está no seu papel perfeito.

Depois de toda a permissividade do país com a orgia da montagem da Copa, vêm essas almas penadas querer embargar o único inocente da história – o futebol. Viva Neymar, e abaixo os parasitas padrão Brasil!

Fonte: Época, 4/6/2014

RELACIONADOS

Deixe um comentário