Dólar é tudo igual, certo? Mais ou menos. Há uma classificação, até bem popular, que separa o dólar bom — aquele que vem para ficar por aqui — do ruim — o que vem para tirar alguma vantagem e levar embora o lucro roubado dos brasileiros.

Há dois exemplos óbvios de dólar bom. Um está na receita de exportação: o produtor brasileiro vende lá fora e traz para cá o dinheiro do consumidor estrangeiro. O outro é o chamado Investimento Externo Direto (IED): uma companhia estrangeira traz dinheiro dos seus acionistas para montar uma fábrica no Brasil e, portanto, gerar emprego e renda para brasileiros.

O exemplo mais citado de dólar ruim é aquele dos capitais especulativos: um fundo de investimentos traz dólares para comprar títulos da dívida pública, que pagam juros muito elevados, bem maiores do que nos países parecidos e concorrentes.

Mas por que isso seria ruim? Afinal, o governo brasileiro emite títulos porque precisa financiar sua dívida. A existência de muitos potenciais compradores deveria ser um fator positivo. É, mas, tal é o argumento, esses compradores estrangeiros não são confiáveis.À menor turbulência, ao menor sinal de crise, eles vendem os papéis, recompram os dólares (mais do que haviam trazido) e caem fora. No limite, pode haver uma fuga de capitais.

Já o dólar dos investimentos em ações tem caráter duvidoso. É uma verdadeira moeda de duas faces. Por um lado, é bom, porque compra ações de companhias brasileiras, as quais podem usar esse dinheiro para ampliar seus investimentos. Por outro lado, é ruim, porque também é um recurso que pode cair fora a qualquer momento.

Por trás de tudo isso, há um problema de excesso de dólares na economia brasileira. Trata-se de dilema recentíssimo. O país sempre padeceu da chamada “vulnerabilidade externa” — uma incapacidade estrutural de obter dólares, quaisquer dólares, os bons e os ruins.

Durante o longo período de inflação recente, do final dos anos 70 até o Real (1994), o Brasil, mesmo sendo um mercado grande, recebia menos de US$ 5 bilhões/ano de IED. Quatro anos depois da estabilização, recebeu mais de US$ 30 bilhões.

Sem estabilidade, o Brasil também não conseguia colocar títulos; o mercado de ações era muito limitado; e as exportações, até o início deste século, nunca passavam dos US$ 60 bilhões/ano.

Hoje, está assim de gente querendo investir no Brasil, na economia real (a sétima maior do mundo) e na financeira. E as exportações neste ano devem alcançar os US$ 240 bilhões. Sobram dólares, os bons, os ruins e os de dupla personalidade.

E, então, como ficamos? Simples: limita- se ou mesmo proíbe-se a entrada do dólar ruim, enquanto se estimula a vinda do dólar bom. É o que têm dito (e tentado) as autoridades econômicas. Por exemplo, aplicações em renda fixa com prazo menor de um ano pagam imposto mais alto.

Mas não tem funcionado. Continuam chegando dólares. Primeiro, porque é difícil, na prática, separar o dinheiro.

Imagine uma empresa que traz um bilhão de dólares para fabricar tablets. Enquanto vai montando a operação, esse dinheiro está disponível, é capital de giro que obviamente será aplicado nos juros elevados pagos pelos títulos do governo ou, se o administrador for mais ousado, na Bovespa. De qualquer modo, vai para a tal ciranda financeira, como vão todos os recursos disponíveis de pessoas e empresas brasileiras.

Se o caro leitor tem aplicações em algum fundo de investimento, quase certamente está na ciranda e é credor do governo brasileiro. Especulador?

Além disso, mesmo que se conseguisse limitar a entrada do dólar ruim, continuariam chegando os bons, via exportação, em alta, via IED (para investimentos no pré-sal, no agronegócio, em obras de infraestrutura, na produção de automóveis neste que é o quarto mercado mundial, nas telecomunicações, e em tantos outros setores) e via mercado de ações, trazendo mais recursos para companhias locais.

É inevitável que, nesse ambiente, o real se fortaleça. Como costuma dizer Stanley Fischer, ex-número dois do FMI e hoje presidente do Banco Central de Israel, não pode haver economia forte com moeda fraca. (Aliás, Israel, assim como muitos outros emergentes, tem o mesmo problema.)

E como se lida com a moeda forte?

Nosso governo ainda não sabe. Está agindo na base do quebra-galho, uma medida aqui, outra ali, sem sucesso.
Fora do governo, há muitas propostas em debate. Nosso próximo tema.

De todo modo, talvez se possa adiantar: é melhor ter um problema de excesso de dólares do que de falta. O Brasil já passou por momentos em que mendigava um reles dólar ruim.

Fonte: O Globo, 02/06/2011

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. 1berto

    A pergunta que cabe é: O governo tinha ou tem um número de quantos dólares precisamos ter por aqui?