Quinta-feira, 8 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

A economia da sociologia

Os países emergentes foram bastante beneficiados pelo excepcional ciclo econômico mundial na década passada, anabolizado pela China. Mais crescimento se traduziu em avanços em indicadores sociais em vários países emergentes. Crescimento e distribuição de renda andaram juntos, ainda que em diferentes ritmos entre os países.

A emergência da chamada “nova classe média” não foi um fenômeno restrito ao Brasil, ainda que a experiência brasileira se destaque pela velocidade das conquistas sociais. Certamente, fruto dos acertos passados da política econômica, que permitiram o país se posicionar bem e assim se beneficiar do vento de popa global. Com políticas pró mercado e o bom cenário externo, foi possível colher ganhos de produtividade e assim avançar na agenda social de forma segura. As pesquisas no Brasil revelam que o fenômeno da nova classe média foi muito mais fruto de ganhos no mercado de trabalho, calcados em ganhos de produtividade, do que de políticas de transferência de renda, como o bolsa-família.

A maré virou e agora o baixo crescimento dos emergentes se tornou foco de preocupação de agentes econômicos em âmbito global. Na esteira dessa tensão, discute-se o risco de decepção da classe média desses países. A discussão tem importantes nuances em função das diferentes experiências os países. Nos emergentes que exibem fundamentos mais frágeis, como o Brasil, o quadro social parece mais preocupante, pois a sociedade enfrenta o risco de retrocessos nas conquistas, e não apenas dificuldades para novos avanços.

No Brasil, cada vez mais os indivíduos sentem dificuldades para manter seu padrão de vida. É o que mostram os indicadores de consumo e de inadimplência, que se deterioram.

Nesta linha, pesquisas recentes revelam importante piora do humor dos indivíduos. O medo de perder emprego atinge recordes de alta e o índice de satisfação com a vida, recordes de baixa, segundo pesquisa da CNI iniciada em 1999. A deterioração dos indicadores é disseminada quando se considera as diferentes classes sociais, regiões do país e escolaridade. No consolidado, o índice do medo de desemprego atingiu 105,9 pontos em setembro de 2015 ante 74,8 ao final de 2014. O índice de satisfação com a vida registrou 93,9 pontos ante 103,5. O mesmo sentimento é capturado pelos índices de confiança do consumidor, que caem rapidamente. Pela FGV, atingiu as mínimas da série, 76 pontos em setembro.

O que mais chama a atenção na dinâmica recente desses indicadores é a velocidade da deterioração, que é inédita. Mas não chega a ser uma surpresa, tendo em vista a piora em curso do mercado de trabalho.

Aqui vale comentar que, mais importante que a taxa de desemprego é seu desvio em relação à tendência (ou usando o jargão dos economistas, a taxa natural de desemprego). Em outras palavras, não foi a queda da taxa de desemprego em si que impulsionou esses indicadores para o campo otimista nos últimos anos, mas a surpresa no recuo.

Uma possível interpretação para esse resultado vem das conclusões dos sociólogos no estudo da classe média. A ideia é que os indivíduos tendem a atribuir a melhora da sua condição de vida ao seu esforço pessoal. Assim, apenas atribuiriam ao quadro geral do país quando o movimento vai além daquilo que era esperado pelo seu empenho. Em outras palavras, enquanto o desemprego caía em linha com a tendência, pouco se alteraram os indicadores citados acima. As mudanças foram mais discretas.

Atualmente, com a reversão brusca da taxa de desemprego este ano, abrindo enorme diferencial em relação ao desemprego natural (possivelmente em torno de 6% versus as cifras próximas de 8% atualmente), o indivíduo vai compreendendo a gravidade do quadro econômico, fazendo piorar os diferentes indicadores de confiança citados. Se fosse um movimento cíclico mais suave, possivelmente os indicadores de confiança não seriam muito impactados.

Assim, se em um primeiro momento o indivíduo que enfrenta dificuldades tende a se responsabilizar pelo fato, por alguma falha pessoal ou escolhas equivocadas – como se endividar excessivamente ou não se esforçar o suficiente no trabalho -, aos poucos ele passa a reconhecer que há algo maior. Não é só ele que sofre, mas também as pessoas ao seu redor.

O que os indicadores recentes sugerem é que aos poucos os indivíduos descobrem que o aumento de sua renda e a
mudança de padrão de vida não é permanente e pode ser reversível. O esforço pessoal não bastará para preservar as conquistas da década passada.

Houve grande e inédito retrocesso na agenda econômica do país rumo ao crescimento, considerando o período democrático, inclusive no front inflacionário. Será inevitável o custo para a sociedade.

Como irá reagir a sociedade a este inédito retrocesso do status quo? Segundo a imprensa, pesquisas qualitativas identificam aumento do sentimento de frustração e, pior, de raiva. Enquanto isso, especialistas se preocupam com a tendência de aumento da violência.

Por outro lado, é neste contexto de inquietação e aumento das demandas sociais que reside a semente para a reação da política. Não à toa países ricos são democráticos. Há evidências na literatura que classe média numerosa e democracia de massa favorece avanços institucionais pró-crescimento.

Que o sistema político consiga corroborar a evidência e enfrentar os graves desafios da nossa economia.

Fonte: O Estado de S.Paulo, 09/10/2015.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.