Armando Castelar Pinheiro
É coordenador de economia aplicada do IBRE/FGV e professor do Instituto de Economia da UFRJ. Trabalhou como analista na Gávea Investimento, pesquisador do IPEA e chefe do Departamento Econômico do BNDES. Castelar é Ph.D em economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley), mestre em administração pela COPPEAD/UFRJ e em estatística pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), e engenheiro eletrônico pelo Instituto Teconológico de Aeronáutica (ITA). Membro do Conselho Superior de Economia da FIESP e colunista dos jornais "Valor Econômico" e "Correio Braziliense". Seus livros mais recentes são “Além da euforia: Riscos e lacunas do modelo brasileiro de desenvolvimento” (Elsevier, 2012), “Rio de Janeiro, um Estado em transição” (Editora FGV, 2012) e "Mobilidade urbana: Desafios e perspectivas para as cidades brasileiras" (Campus/Elsevier, 2015).

Agenda de produtividade

Armando Castelar: "Nossa produtividade é baixa pois a maioria dos trabalhadores brasileiros só consegue ocupações intrinsecamente de baixa produtividade"

O BNDES de Maria Sílvia

Em 1820, o PIB per capita do Brasil era igual à metade do americano e do europeu ocidental, próximo ao japonês, 10% maior que o da China, 25% acima do da Austrália e ...

A emergência do ajuste

Histórias que despertam emoções são mais difíceis de esquecer. Talvez por isso me lembre tão bem da que me contou meu irmão Geraldo, quando, jovem médico na perif...

Indústria brasileira

O desempenho da indústria no primeiro semestre de 2015 foi assustador, com queda de 6,3% na produção, em relação ao mesmo período de 2014. Os problemas da indústri...

Otimistas e pessimistas

A julgar pelo que se lê na imprensa, estar ou não preocupado com a economia depende de o observador ser pessimista ou otimista. Para Marcelo Kfoury, o investidor estran...