João Mellão Neto
Colunista do jornal “Estado de S. Paulo” desde 1987, João Mellão Neto escreve sobre política, economia, costumes, família e religião. É empresário dos setores agropecuário e imobiliário. Atualmente, Mellão ocupa uma cadeira na Câmara dos Deputados de São Paulo. É autor dos livros “Três estórias para uma história” — sobre o ex-presidente Jânio Quadros, “Nu com a mão no bolso”, “Por que sou um liberal” e “Loreley e a condição humana”. Formou-se em administração de empresas na Fundação Getúlio Vargas (FGV) e em jornalismo pela Fundação Cásper Líbero.

Chegou a vez do avesso

Em relação ao Brasil, alguém já constatou que somos um povo em nada original. A cada 15 ou 20 anos – 30, no máximo – estamos condenados a repetir os mesm...

Como apaziguar um tigre

O meu filho do meio, o Ricardo, anda indignado. Todos os dias ele abre os jornais, inteira-se dos novos e cabeludos escândalos que surgem em nossa República e constata ...

O que representa o Obelisco

Trata-se de uma homenagem tardia a São Paulo, mas, no meu entender, ela deve ser feita. Um povo não é um povo se não guarda na memória os seus valores, a sua histór...

Serial killer

Absurdo não existe. O que nós entendemos por absurdo, em geral, obedece a uma ordem de coisas que não conhecemos. O governo de Dilma Rousseff – na verdade, trata...

O PT e os seus bons advogados

Tem sido uma preocupação do PT o tal do controle “social” da mídia. Principalmente da ala do partido ligada a José Dirceu. Isso lembra um pouco o início ...

Por que Dilma faz sucesso?

Pesquisa CNI/Ibope recente aponta que a presidente Dilma Rousseff, em setembro, foi aprovada por 71% da população. Esse resultado foi melhor que os de Luiz Inácio Lula...

Vade retro, Luiz!

Estou no jornalismo há mais de três décadas. Tempo suficiente para constatar que a retórica do poder mudou. Vem mudando, aliás, a cada novo governo. Até mesmo a ló...

Uma questão de coerência

Margaret Thatcher, estadista inglesa, ensinava que na política, antes de tudo, é preciso assumir um lado. E persistir nele. Durante toda a sua vida pública ela agiu de...

Nada de novo sob o Sol

“Brasil de todos”, o “espetáculo do crescimento”, o “Brasil que é respeitado lá fora” são alguns dos slogans preferidos das gestõ...

Manual de picaretagem intelectual

Antes de ler este artigo, sugiro ao leitor do “Estadão” que responda ao seguinte questionário. Você precisa debater em público e não tem certeza da valid...

Tranque também o seu!

Em russo, espanhol e inglês – para que todos pudessem compreender – havia, no aeroporto de Havana, a seguinte mensagem: “Cuba é uma nação livre, sob...

O que pensa a classe média?

Os Estados Unidos não são mais aqueles. Seja qual for a solução que venha a ser dada à questão da dívida pública, o fato é que a América expôs as suas vulnerab...

As vítimas serão nossos filhos

Como era a vida nos tempos da ditadura? Minhas lembranças pessoais são confusas. Recordo-me de que os mais antigos nos diziam que o Brasil era governado por um general,...

O que faz a diferença

Prezada dona Dilma Rousseff, esta não é a primeira carta que lhe escrevo e não há de ser a última. Comecei a escrever para a senhora ainda quando era, por assim dize...

Quem tem medo da verdade?

Se as pessoas fossem obrigadas a dizer tudo o que pensam umas das outras, a convivência social se tornaria impossível. Todo mundo sabe disso. E quanto aos “segred...

Senhora presidente

Não votei na senhora. Aliás, em São Paulo, o lulismo nunca deu muito certo. Vocês já disputaram várias eleições por aqui. Para governador não levaram nenhuma. E ...

Palocci e a mulher de César

Por volta do ano 60 antes de Cristo, Júlio César era um nome em ascensão. Já ocupava postos de destaque na República romana e todos – inclusive o próprio R...

FHC ou Lula?

Tendo concluído os primeiros cem dias de governo – período em que não é de bom tom louvar ou criticar qualquer gestão -, Dilma Rousseff já está começando a ...

Carta a um desempregado

Caro cidadão Luiz da Silva, como você está se sentindo agora que retornou à planície? Na verdade, apenas trocou de Planalto – para o Paulista. É duro ficar oc...

O ocaso das certezas

“Democracia liberal”, “direitos humanos”, “economia de mercado”, esses são os nossos três principais valores. São eles que compõem...

A desastrada diplomacia de Lula

Aos 40 dias de governo, Dilma Rousseff tem dado seguidos sinais de que sua gestão não será uma continuação da anterior. Nem poderia. Ela não teria como competir com...

Lula x FHC

Quem foi melhor para o Brasil, FHC ou Lula? Creio que agora, com Dilma eleita e empossada, já se pode fazer uma avaliação isenta de paixões. Isso é importante porque...

A lei e a ordem

Meu filho do meio se formou em Direito no ano passado. Ele gosta de discutir comigo desde criança. Hoje em dia, eu debato com ele também por uma razão funcional. Para ...

Enquanto a revolução não vem

Dilma Rousseff, durante a campanha eleitoral, não se cansou de afirmar: “A gente nunca pode apostar nas virtudes dos homens, porque todos os homens e mulheres são fal...

Mensagem aos meus filhos

Tenho escrito diversas cartas aos meus filhos, aqui, no “Estadão”, há pelo menos duas décadas. Relendo algumas delas, percebo que cobri toda a infância e ...

Dona Dilma

A partir do ano que vem, estará em suas mãos o destino de nosso país. A senhora já parou para refletir sobre o que isso significa? Quase 200 milhões de pessoas clama...

Lula e Geisel, iguais?

Meu caro Lula, agora que seus oito anos de governo estão chegando ao fim já dá para fazer um balanço realista do que foi obtido de concreto nesse período. Não há r...

Pra frente, Brasil!

Minha juventude transcorreu nos anos 70, durante a dita “ditadura militar”. Curiosamente, muita coisa na época era, de modo preocupante, semelhante ao que se...

Por que a nossa política externa é assim

Para aqueles que não conseguem entender qual é a lógica que preside as aparentemente tresloucadas opções de Lula no que tange à política exterior vai aqui uma pequ...

Prezada dona Dilma

Tempos atrás, aqui mesmo, neste Espaço Aberto, comparei a senhora, com as ideias antiquadas que defende, a um DKW – aquele automóvel que foi fabricado no Brasil ...

O liberalismo sobrevive

Nós, liberais, temos agora o nosso Muro de Berlim. O mesmo impasse vivido pelas esquerdas em 1989, quando a barreira entre as duas Alemanhas foi derrubada e o comunismo,...