Jose Eli da Veiga
É professor titular do Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), coordenador do Núcleo de Economia Sócio-ambiental (NESA) da USP e colaborador da coluna de opinão do jornal “Valor Econômico”. É autor de “O que é reforma agrária” (Brasiliense, 1981), “A reforma que virou suco” (Vozes, 1990), “O desenvolvimento agrícola” (Edusp, 1991), “Metamorfoses da política agrícola dos Estados Unidos” (Fapesp/Annablume, 1994), “A face rural do desenvolvimento” (Editora da Universidade, 2000), “O Brasil rural precisa de uma estratégia de desenvolvimento” (NEAD, 2001), “Cidades imaginárias” (Autores Associados, 2002), “A História não os absolverá” (Autores Associados, 2005), “Do global ao local” (Autores Associados, 2005), “Desenvolvimento sustentável” (Garamond, 2005), “Meio ambiente e desenvolvimento” (Senac, 2006) e “A emergência sócio-ambiental” (Senac, 2007).

Efeméride coesa em 2017

Os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos (originalmente “do Homem”) serão comemorados logo após as eleições de 2018, em dezembro. E coincidirão ...

A pior traição de Dilma

As barbeiragens de Dilma na presidência do Conselho da Petrobras são “fichinhas” se comparadas às cometidas na Presidência da República. Quem nela votou em 2010,...

Complexo como o fim da escravidão

Instituição é o melhor caminho para mobilizar e alocar recursos a custos adequados. As evidências sobre o aquecimento global começaram a ser consolidadas em 1971 no ...

Pegada ecológica x “economia verde”

Acaba de sair o mais completo balanço da insustentabilidade: o Relatório Planeta Vivo 2010 . Essa é a oitava ediçãodo documento que mais notabilizou a Pegada Ecológ...

Metade do Brasil continua pobre

Como a pobreza é privação de capacidades básicas, ela jamais deveria ser medida apenas com estatísticas de insuficiência de renda. É pobre mesmo quem tem renda sup...

Conveses do desenvolvimento

É primária a visão dicotômica do mundo em dois escalões: algumas nações já “desenvolvidas” e todas as outras eufemisticamente consideradas “em d...