Sexta-feira, 9 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

6 países que tiveram um 2015 para esquecer

O Brasil virou “um filme de terror sem fim”, dizia o Financial Times já em julho. Desde então, as coisas só pioraram.
Se antes a crise política e econômica se retroalimentavam, agora governo e oposição simplesmente abandonam a luta pela estabilização para focar na briga pelo poder.
Enquanto isso, a confiança afunda, o desemprego dispara e as metas fiscais vão para o brejo enquanto outros países trilham caminhos bem mais otimistas.
A China passou por momentos de aperto, com a queda do seu mercado de ações e as dores de rebalancear seu perfil econômico, mas o crescimento ainda resiste em patamares altos por qualquer critério.
O Japão, que vinha de uma maré fraca, viu a queda do seu PIB no terceiro trimestre ser revisada para um surpreendente crescimento. A Rússia também teve um ano péssimo, mas parece ter finalmente se estabilizado.
Enquanto isso, outros países devem terminar o ano pior do que começaram. Veja 6 deles:

Brasil
Todo mundo sabia que 2015 seria duro para o Brasil, com a necessidade de lamber as feridas do período eleitoral, aprovar medidas fiscais e reajustar desequilíbrios de preços e câmbios acumulados em anos anteriores.
Mas poucos previam uma deterioração tão forte do cenário. A presidente Dilma Rousseff nunca deixou claro quem mandava, afinal: o desenvolvimentista Nelson Barbosa, no Planejamento, ou o ministro da Fazenda Joaquim Levy, fiador do governo junto ao mercado?
Enquanto isso, a Operação Lava Jato afetava a maior empresa do país e bagunçava um xadrez político que já vinha de alianças esgarçadas. O resultado: um Congresso alternando turnos de paralisia e irresponsabilidade.
A confiança desabou e com ela foram os dados econômicos e o nosso grau de investimento pela Standard & Poor’s.
Em janeiro, o Boletim Focus projetava um ano com crescimento de 0,5%, inflação a 6,5% e dólar a R$ 2,80. Os mesmos economistas agora projetam recessão de 3,5%, inflação de dois dígitos e dólar a R$ 3,95.

Venezuela
Acha que a situação do Brasil está ruim? Não precisa ir muito longe para achar uma pior. Nossa vizinha Venezuela continuou em 2015 sua trajetória em direção ao mais completo caos econômico.
O país já vinha de anos de gastos descontrolados quando teve que lidar com a queda do preço do petróleo, principal produto de exportação e fonte de receita para o governo – que só sabe responder aumentando o controle do setor privado.
De acordo com o Fundo Monetário Internacional, a Venezuela já tem a maior inflação do mundo (160%) e deve concluir este ano com uma recessão da ordem de 10%.
A oposição conseguiu canalizar a frustração e obteve no último domingo mais de dois terços do Parlamento, interrompendo 16 anos de domínio chavista. Mas o presidente Nicolas Maduro fica até 2019 e não deu sinais de recuo.

Grécia
Após anos de depressão econômica que comeram um terço do seu PIB e transportaram sua renda de volta para os anos 80, a Grécia começou 2015 com um resquício de esperança.
O primeiro-ministro Alexis Tsipras assumiu o poder no final de janeiro prometendo reverter a política de austeridade e mudar os duros termos do resgate do país combinado com a troica (FMI, Comissão Europeia Banco Central Europeu).
Só que eles não deram respiro, mesmo depois da população grega votar pela rejeição de um novo pacote. Tsipras cedeu e continua primeiro-ministro, mas vai entregar um 2015 de mais contração econômica: 2,3%, segundo o FMI.
Enquanto isso, a relação dívida/PIB, causa e consequência de todo esse imbróglio, continua subindo sem parar. Alguma perspectiva de recuperação é esperada só para 2017.

África do Sul
Nesta quarta-feira, o presidente da África do Sul, Jacob Zuma, anunciou a demissão do seu ministro de Finanças, Nhlanhla Nene, empossado há um ano e meio. No seu lugar entra o pouco conhecido David van Rooyen.
Nene era conhecido por ter mão firme no controle dos gastos públicos e o mercado reagiu mal à sua saída, derrubando o rand sul-africano para seu pior nível da história.
E está é só a última notícia preocupante a vir do país, que teve sua nota de crédito cortada na semana passada pela Fitch de BBB para BBB-, nível mais baixo do grau de investimento.
Assim como o Brasil, a África do Sul está sofrendo com a desaceleração chinesa e com a queda do preço das commodities. O país deve crescer apenas 1,4% este ano (pior nível desde 2009) e o desemprego passa de 25%.

Finlândia
Em setembro, o ministro das Finanças da Finlândia, Alexander Stubb, admitiu publicamente: “nós somos o homem doente da Europa”, ecoando uma expressão criada no século XIX e usada desde então para classificar países problemáticos do continente.
A Finlândia está sofrendo com uma avalanche de dificuldades: queda das commodities, uma população que envelhece rapidamente, recessão na Rússia, um de seus principais parceiros, e o o declínio da Nokia, sua empresa-modelo.
No terceiro trimestre, o PIB caiu 0,8% em relação ao mesmo período do ano passado, coroando uma recessão de 3 anos – a mais longa no país desde a Segunda Guerra Mundial.

Arábia Saudita
A Arábia Saudita é a maior economia do Oriente Médio e por muito tempo pôde contar com o dinheiro fácil do petróleo, responsável por 80% de suas receitas. Não mais.
Com a queda do preço internacional do produto, o país deve ter déficit de 21,6% em 2015 e 19,4% em 2016, pior resultado da região, com exceção de países em situação calamitosa como Líbia e Iraque, diz o Fundo Monetário Internacional (FMI).
O crescimento ainda resiste, mas em patamares bem menores do que no passado recente (3,4% em 2015 contra média anual de 5,5% entre 2000 e 2012). E com a deterioração rápida das contas, não se sabe até quando a situação será sustentável.

Fonte: Exame: 11/12/2015

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.