AGU quer revogar auxílio-moradia para membros do MP

justiça (nova)

A Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que seja revogada resolução que garantiu auxílio-moradia aos membros de carreira do Ministério Público. A Resolução n° 117/2014 do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) determinou o pagamento de auxílio-moradia no valor de R$ 4,3 mil aos servidores de carreira do órgão.

A decisão tem valor retroativo a 15 de setembro, de 2014, quando o ministro do STF Luiz Fux concedeu liminar que estendeu o benefício de auxílio-moradia a todos os juízes do País que não tenham imóvel funcional à disposição.

No mandado de segurança, que ficou sob a relatoria do ministro Dias Toffoli, a AGU alega que “além de denotar a existência de efeitos concretos quanto ao que foi deliberado, caracteriza flagrante perigo de lesão ao erário”.

Na ação, assinada pelo advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, a CGU argumenta que, em função da nova previsão de despesa, o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, solicitou ao Ministério do Planejamento a abertura de crédito adicional no valor de R$ 29 milhões para o pagamento do auxílio-moradia referente ao exercício de 2014.

Segundo a Secretaria-Geral do Contencioso da AGU, a concessão do benefício a todos os membros do MP “é ilegal por ser fundamentada em decisão que ainda cabe recurso e em processo do qual não fez parte e que trata exclusivamente o pagamento da ajuda de custo auxílio-moradia à magistratura”, escreveu o órgão em nota divulgada nesta quarta-feira, 4.

Diante do momento de ajuste fiscal, uma das principais preocupações do governo federal são ações que possam implicar em custos adicionais para a União, caso da extensão do auxílio-moradia.

Fonte: O Estado de S.Paulo.

RELACIONADOS

Deixe um comentário