Argentina barra exportação brasileira

O Brasil fechou o mês de janeiro com mais de 1,2 mil Declarações de Importação Antecipadas (DJAIs) pendentes de aprovação com o governo argentino. O bloqueio já está atingindo praticamente todas as exportações brasileiras ao país vizinho.

De áreas já tradicionalmente problemáticas, como automóveis, autopeças, eletrônicos e têxteis, a setores que não costumava ser afetados, como alimentos e bebidas, incluindo carne suína. Outras áreas afetadas são cerâmicas, setor químico, metalurgia e celulose.

Com dificuldade de obter divisas, a Argentina vem usando as Declarações de Importação Antecipadas para controlar a saída de dólares há vários meses. Além disso, voltou a segurar a liberação da moeda para que os importadores paguem os produtos comprados no Brasil, atrasando os pagamentos. E adicionou uma outra modalidade de controle: tem dificultado a passagem de mercadorias pela hidrovia Paraná-Paraguai, não permitindo que os comboios atinjam o tamanho máximo permitido.

Apesar de considerar “administráveis” esses problemas com os argentinos, o governo brasileiro reconhece que, em algum momento, precisa melhorar a balança comercial. Avalia-se, porém, que o principal mercado está em crise, é preciso fazer alguma coisa.

Negociações

A Argentina será o foco de viagem do novo ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira. Ex-embaixador em Buenos Aires, Vieira é considerado um amigo pelo governo de Cristina Kirchner. Na próxima terça-feira, a pedido da presidente Dilma Rousseff, desembarca lá para reforçar a importância dos vizinhos sul-americanos. A missão principal, porém, é tentar, de novo, melhorar a situação dos exportadores brasileiros.


A tarefa é difícil

Com problemas em obter divisas, o governo argentino usa as DJAIs e a liberação de crédito para controlar a saída de dólares. As autorizações, que deveriam ser automáticas para a maior parte dos produtos do Mercosul, chegam a levar mais de três meses para serem concedidas. Além disso, qualquer pagamento acima de US$ 150 mil precisa ser aprovado pelo Banco Central, o que também é controlado. Maior parceiro comercial do país, o Brasil é diretamente atingido pelas medidas.

Saldo comercial

As exportações brasileiras para a Argentina vem caindo desde o segundo semestre do ano passado. A partir de setembro, o saldo comercial passou a ser negativo para o Brasil, chegando a US$ 183,2 milhões em dezembro, o pior mês.

Em janeiro, o país voltou a ter um superávit, de US$ 69,2 milhões. No entanto, o volume de exportações caiu quase 30% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Concorrência chinesa

Fontes ouvidas pelo Estado confirmam que a situação é difícil de reverter, uma vez que o Brasil não tem como aumentar o financiamento aos seus exportadores e a Argentina continua em crise. Mais do que isso, pode ainda piorar depois dos acordos assinados esta semana entre Cristina Kirchner e o governo chinês, que prevê investimentos em infraestrutura com facilitação de importações de maquinário e insumos – vários deles produzidos também pelo Brasil – além de linhas de crédito para importação e um acordo de swap de yuans para reforçar as reservas argentinas.

Apesar dos riscos, o acordo China-Argentina não tem sido discutido dentro do governo brasileiro.

Até agora, o discurso adotado é de que não há o que fazer. Mas se reconhece que o espaço no mercado vizinho pode ser ainda mais reduzido.

Fonte: O Estado de S.Paulo.

RELACIONADOS

Deixe um comentário