Sexta-feira, 2 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Brasil é um dos piores em qualidade de matemática e ciências

O Brasil continua sendo um dos piores países em termos de qualidade no ensino de ciência e matemática, apesar de começar a se recuperar no ranking dos mais preparados em relação à tecnologia de informação.

Na classificação, publicada nesta quarta-feira, 6, em Genebra, pelo Fórum Econômico Mundial, o Brasil aparece na 133ª posição no que se refere à qualidade no ensino de ciências e na 131ª posição no ranking de educação geral. Foram avaliados 139 países.

Segundo o levantamento, o Brasil subiu da 84ª posição para a 72ª, em termos da preparação do país para uso das novas tecnologias de comunicações.

Nos últimos três anos, o Brasil caiu da 60ª posição, em 2013, para a 84ª em 2015. Políticas para reduzir o preço da banda larga conseguiram reverter a tendência de queda e aumentaram o acesso da população aos celulares e internet. Pelo mundo, o Brasil hoje é o 57º melhor classificado em termos de usuários. O salto, em um ano, foi de cinco lugares.

Mas isso não foi suficiente para compensar a percepção do setor privado da incapacidade do governo em colocar tecnologias digitais como prioridade. Nesse critério, o Brasil aparece apenas na 121ª posição.

Segundo o informe, Cingapura, Finlândia, Suécia, Noruega e os Estados Unidos “estão liderando o mundo quando se trata de gerar impacto econômico a partir de investimentos em tecnologias da Informação e Comunicações”. Nessas economias, existe “um ambiente de apoio e incentivo, caracterizado por regulação sólida, infraestrutura de qualidade e mão de obra disponível”.

Entre os países dos Brics, a Rússia aparece na 41ª posição. A China vem no 59º lugar e a África do Sul na 65ª colocação. Já a Índia caiu duas posições, para 91ª.

“A economia digital é uma parte essencial da arquitetura da Quarta Revolução Industrial. Para a tecnologia digital continuar contribuindo para o impacto econômico e social, as sociedades precisam antecipar seus efeitos nos mercados e assegurar um acordo justo para trabalhadores dos ambientes de mercados digitalizados. Os novos modelos de governança serão a chave para isso”, disse Richard Samans, chefe do Centro para a Agenda Global, membro do conselho de administração do Fórum Econômico Mundial em Genebra.

Inovação

No critério que estabelece o ambiente para inovação e negócios, o Brasil aparece entre os piores do mundo, na 124ª posição, e abaixo de Gâmbia, Moçambique ou Suazilândia. Pesaram nessa avaliação a carga tributária sofrida pelas empresas, a burocracia para se abrir um empreendimento, a falta de licitações públicas em alta tecnologia e todo o sistema de ensino.

O fraco ambiente regulatório para as tecnologias de comunicação e o papel do Estado incentivando o setor também foram destacados como obstáculo.

Fonte: “O Estado de S. Paulo”.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.