Domingo, 4 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Brasil investe, em média, só 2,18% do PIB em infraestrutura, diz CNI

Apesar dos programas de infraestrutura do governo nos últimos anos, o investimento na área está aquém do que deveria. Um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que, nos últimos 20 anos, o Brasil investiu, em média, pouco mais de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) em infraestrutura. De 2001 a 2014, a média de investimentos foi de R$ 967 bilhões, o equivalente a 2,18% do PIB. Para a CNI, o número deveria ser, no mínimo, de 3%. Para se aproximar dos demais países emergentes, porém, o investimento deveria dar um salto e ficar entre 4% e 5%.

Em um ranking que elenca a contratação de obras em 189 países em 2015, feito pelo Banco Mundial, o Brasil ocupa a 169ª posição. Os vizinhos Chile e Peru, por exemplo, ocupam a 24ª e 48ª posições, respectivamente.

— É incontestável que o país investe pouco e mal — diz o economista Cláudio Frischtak, um dos responsáveis pela pesquisa.

Frischtak avalia que não há uma política de Estado consolidada, que não seja limitada a um único governo ou mandato, para melhorar a infraestrutura. O economista aponta os problemas regulatórios como outro gargalo: para ele, as agências reguladoras são enfraquecidas e aparelhadas por interesses políticos, o que eleva o risco de investir no Brasil.

— As empresas que investem aqui estimam lá em cima o retorno que precisam ter para compensar o risco — afirma.

Ele aponta que falta investimento, principalmente, em logística, saneamento e telecomunicações. A falta de um projeto executivo de qualidade é apontado pela CNI como fator que barra o investimento. “As obras de infraestrutura levam um longo período para conclusão e, consequentemente, para a geração de receitas, inclusive pelo fato de que muitas iniciam sem um projeto executivo de qualidade ou mesmo um projeto básico confiável”, diz o estudo.

A CNI avalia que, diante do cenário de restrição fiscal, haverá nas próximas décadas uma alteração no protagonismo do investimento. A tendência é que o financiamento passe para as empresas, via títulos privados.

Segundo o estudo, em 2014, apesar de a iniciativa privada ter sido responsável por 54% dos investimentos em infraestrutura, a maior parte dos recursos foi garantida por bancos públicos, por meio de subsídios. A CNI aponta que 83% dos empréstimos para obras são com recursos do Tesouro Nacional.

“Populismo tarifário” 

Frischtak avalia que as políticas de estímulo da última década foram equivocadas. Para ele, o governo fez transferências maciças ao BNDES que amorteceram a vontade do setor privado de investir diretamente.

Ele critica a política, adotada pelo governo anterior, de modicidade tarifária. Para Frischtak, há uma distorção quando o critério para escolher um consórcio para a construção de uma rodovia é a cobrança do menor pedágio possível. Ele diz que o ideal seria selecionar quem consegue fazer a obra usando a menor participação pública possível:

— A política de modicidade tarifária nada mais é do que um populismo tarifário.

Segundo o estudo, há iniciativas relevantes no âmbito do crédito bancário de longo prazo que poderiam ser tomadas para garantir um envolvimento maior e mais estruturado dos bancos comerciais.

Fonte: “O Globo”.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.