Sábado, 3 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Brasil tem mais de 1.100 startups aceleradas, segundo pesquisa

Um estudo inédito da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV/EAESP) fez um balanço sobre o mercado de aceleradoras no país. O levantamento “O panorama das aceleradoras de startups no Brasil” foi conduzido pelo professor Newton Campos e pelo pesquisador Paulo Abreu e é um dos primeiros do tipo.

Uma das conclusões da pesquisa é que o mercado brasileiro de aceleradoras está consolidado. Hoje, o Brasil tem 45 aceleradoras e mais de mil startups aceleradas.

Dentro da amostra pesquisada, 865 startups passaram por aceleradoras, sendo 28 empresas em média para cada instituição. Considerando que a amostra cobriu 75% do mercado, os pesquisadores deduzem que mais de 1.100 já foram aceleradas.

Na média, são aceleradas sete startups por ciclo, em dois ciclos de aceleração por ano. O valor do investimento varia de R$ 45 mil a R$ 255 mil por empresa, totalizando R$ 51 milhões. Em contrapartida, algumas aceleradoras exigem uma participação mínima de 8%, na média.

O mercado está concentrado no Sudeste, especialmente no estado de São Paulo. Em seguida aparecem as regiões Nordeste, Sul e Norte. As áreas com mais empresas nos processos de aceleração são Tecnologia, Educação, Comércio e Serviços, Financeiro, Indústria, Agronegócio e Turismo. O tempo de vida médio das aceleradoras é de três anos e meio.

A maioria das aceleradoras tem metodologias próprias de seleção e nenhuma exige plano de negócios. Para 26%, o documento mais relevante no processo é o Business Model Canvas, incluindo proposta de valor, segmentos de clientes e fontes de receitas. Os motivos mais comuns que fazem uma empresa ser recusada na aceleração são equipe inadequada, demanda ineficaz e falta de escalabilidade.

aceleradoras

 

Fonte: “Pequenas empresas & grandes negócios”.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.