Domingo, 11 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Brasileiro trabalha 11 horas no mês só para pagar conta de luz

Para pagar a conta de luz de uma residência com uma geladeira pequena — que consome cerca de 60 quilowatts horas (kWh) por mês — mais algumas lâmpadas e uns dois ventiladores, um brasileiro que ganha um salário mínimo precisa trabalhar 11,1 horas, ou seja, pouco mais de uma jornada completa de trabalho. Já um trabalhador no Canadá que recebe o piso nacional precisa de apenas de 1,6 hora para arcar com os mesmos 100 Kwh de energia consumidos. A estimativa faz parte de um estudo do Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Energético (Ilumina), feito a pedido do GLOBO, a partir de dados de 23 países. 

O levantamento usou como base dados da Agência Internacional de Energia (AIE) e dos países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com exceção das nações que não têm salário mínimo estabelecido, como Noruega, Itália, Suécia, Finlândia, Suíça e Dinamarca. No estudo, o Brasil aparece como o país onde o consumidor que ganha um salário mínimo tem de trabalhar o maior número de horas para pagar pela energia. Em segundo lugar, vem o México, com 9 horas.

— O Brasil é o país com a energia elétrica mais cara entre os países listados — destacou diretor do Ilumina, Roberto D’Araujo.

Outro estudo, feito pelo professor Délberis Lima, do Departamento de Engenharia Elétrica do Centro Técnico Científico da PUC-Rio, constatou que a tarifa brasileira, apesar de não ser a mais cara, é a que mais pesa no salário mínimo. A pesquisa considerou o preço médio da energia em oito países, quatro da América Latina e quatro da Europa, o salário mínimo das nações listadas e o custo para pagar por um consumo de 200 kWh por mês. O Brasil ficou em primeiro lugar no ranking, com fatia de 18,5%, seguido pelo Peru, com 10%. Já o Reino Unido ocupou a última posição da lista, com o custo da energia tendo o menor peso no salário mínimo, de apenas 1,5%.

Entre as nações avaliadas, a Espanha tem a maior tarifa, US$ 58,65 para pagar os 200 Kwh/mês, mas representa apenas 5,5% no salário mínimo dos trabalhadores espanhóis.

Carga tributária

A carga de impostos do setor elétrico é outro quesito em que o Brasil lidera. Enquanto na Espanha os impostos representam 26% do total da conta de luz e em Portugal, 23%; no Brasil, o peso tributário varia de 28%, para quem consome até 300 kWh/mês, até 46%, acima desse volume.

— O Brasil, apesar de não ser o que tem a maior tarifa, é o que paga mais impostos e o que tem mais peso para os trabalhadores — destacou Lima.

Para o diretor do Ilumina, apesar dos ganhos do salário mínimo nos últimos 12 anos no país, as mudanças regulatórias feitas no setor elétrico levaram a tarifa de energia a um aumento muito acima do salário — cerca de 50%, em média, apenas no ano passado. D’Araujo destacou que a renovação antecipada de contratos de geração de energia em 2013, promovida pelo governo, gerou uma queda de preços de 20% no ano seguinte. Mas, a partir de 2015, o que se viu foram elevados aumentos das tarifas elétricas. Para ele, as mudanças na regulamentação geraram prejuízos para todo o setor, tanto para consumidores como para empresas.

— Vale lembrar que a energia elétrica cara não está apenas na conta do consumo direto, mas em praticamente todos os produtos que usam eletricidade na sua fabricação. Sendo o Brasil um país privilegiado em termos de recursos naturais, há algo muito errado com a política adotada — afirmou Roberto D’Araujo. 

Fonte: O Globo.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.