Terça-feira, 6 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Brasileiros arrecadam dinheiro para competição na Índia

o atender o telefone, o jovem Matheus Miguel fez o seguinte pedido: “Você pode me ligar daqui uns 20 minutos? Estamos escolhendo as roupas para a viagem.”

Os últimos dias têm sido particularmente caóticos para ele e seus colegas Lemuel Henner, Avner Campanha, Rodrigo Lustosa, Victor Freire, Gabriel Gomes e Kodhi Teruya, alunos do 3º D da Etec Martin Luther King, de São Paulo. Daqui 20 dias, o grupo, acompanhado de três professores e alguns pais, embarcará para Índia.

Eles estarão a caminho da QUANTA, competição de ciência, matemática, astronomia e ciência da computação, que é realizada na cidade de Lucknow.

Há cerca de três semanas, contamos a história dos garotos aqui no site da GALILEU. Eles fazem ensino técnico na Etec Martin Luther King, no bairro do Tatuapé, uma das mais concorridas de São Paulo. Em maio, os 35 alunos do 3º D participaram em conjunto da Olimpíada Internacional Matemática Sem Fronteiras e tiveram um resultado incrível: não só ganharam o ouro como foram a única escola estadual de São Paulo a conseguir o feito.

O mérito na competição abriu a possibilidade de o 3º D enviar uma delegação de três a sete alunos para representar a Etec Martin Luther King no QUANTA. A conquista foi admirável, no entanto, o Centro Paula Souza, que administra as escolas técnicas estaduais de São Paulo e o governo do estado afirmaram não ter verba para levar os alunos para o evento na Índia.

Em um primeiro momento, eles ficaram arrasados. Mas com a ajuda de colegas de classes, alunos de outras turmas da Etec, pais e comunidade, os estudantes recuperaram as forças e deram início à uma campanha de arrecadação para conseguir o dinheiro necessário para participar da competição.

No fim de setembro, os alunos começaram a pedir dinheiro nos faróis do Tatuapé, bairro onde estudam, criaram a página Rumo ao QUANTA 2015, no Facebook e deram o pontapé inicial à arrecadação de fundos por meio de um perfil na plataforma de crowdfunding Vakinha. O objetivo era conseguir R$ 80 mil, valor necessário para custear as passagens e a hospedagem da delegação brasileira na Índia.

Algumas semanas e muitas entrevistas e reuniões depois, a garotada da Etec Martin Luther King alcançou a meta no Vakinha. Os estudantes receberam incentivos de todos os lados, desde pessoas passando na rua até mensagens vindas de outros países. “Recebemos contribuições de pessoas da Espanha, Angola, Irlanda, só para citar alguns”, diz Matheus Miguel, líder da equipe. “Teve até uma brasileira que agora vive na Alemanha que viu a nossa história e ficou contente pois estudou na Martin Luther King quando era mais nova. O reconhecimento foi bem legal.”

No momento, pais e alunos estão realizando várias reuniões para decidir como serão usados os recursos. “E estamos estudando muito”, conta Matheus.

A 20 dias da viagem, os estudantes estão bem ansiosos. A responsabilidade é grande: representar o Brasil em uma competição internacional quando o país não tem uma tradição forte nesse tipo de evento.

“Queremos mostrar que o Brasil não é só futebol e Carnaval, como pensam lá fora”, conta Matheus. E para outros estudantes que queiram seguir os passos da delegação da Etec Martin Luther King, ele deixa uma mensagem: “Não há barreiras para quem realmente quer alguma coisa. Quando você coloca uma meta na cabeça, corra atrás dela. É assim que conseguimos R$ 80 mil em menos de um mês.”

Os garotos também querem ajudar os colegas da Etec Profª Drª Doroti Q. Kanashiro Toyohara, de Pirituba, em São Paulo, que levou o bronze na Olimpíada Internacional Matemática Sem Fronteiras, a participar do QUANTA. Quem quiser contribuir com a causa, pode colaborar clicando aqui.

Fonte: Galileu.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.