Coworking cresce 50% no Brasil entre 2015 e 2016

O número de escritórios compartilhados que se definem como coworking somam quase 400 no Brasil, um crescimento de mais de 50% entre 2015 e 2016, de acordo com o último censo feito pelo CoWorking Brasil, projeto que reúne informações do setor.

Para além da infraestrutura, da comodidade e do custo (geralmente mais baixo do que manter um escritório próprio), outras grandes forças impulsionam esses lugares como o ambiente ideal para multiplicar ideias, contatos e novos negócios: os eventos formais e informais (que estimulam a troca de aprendizado em sessões de mentorias) e o espírito de colaboração entre os residentes (é comum que um futuro parceiro de negócios esteja sentado na mesa ao lado).

Para se ter uma ideia do dinamismo encontrado em um ambiente desses, 780 eventos foram feitos durante o primeiro ano de operação do Cubo (um dos maiores do país, em São Paulo, capitaneado pelo banco Itaú e o fundo Redpoint eventures). No Google Campus São Paulo, a lanchonete instalada no local serve mais de 1270 cafés expressos e 700 pães de queijo por mês.

u100-4

Veja abaixo os dados divulgados pelo Censo 2016

ilustra-coworking-abre

Evolução de coworkings no país
Embora este tipo de espaço esteja crescendo, boa parte ainda está concentrado em grandes cidades das regiões Sudeste e Sul. Faz algum sentindo. Os coworkings tendem a ficar localizados em áreas centrais, onde a diversidade e a densidade de pessoas são naturalmente mais altas, ao contrário de outros clusters que agrupam empresas em zonas industriais ou áreas suburbanas. Por outro lado, o dado mostra uma enorme possibilidade de empreender com esse tipo de negócio em outras regiões do Brasil.

ilustra-coworking-evolucao

numeros-coworking

mapa-coworkings-2016

ilustra-coworking-estados

ilustra-coworking-posicoes

postos-trabalho

cow

cow2

Fontes de receita
A maioria dos coworkings ganha dinheiro alugando salas e mesas de trabalho para empreendedores, profissionais liberais, freelances e empresas que precisam de espaço flexível. O preço médio cobrado por pessoa nas capitais, fica em R$800 mensais. Em geral, o valor varia conforme o período de contrato (12 meses, seis meses, três meses ou diário). Outros serviços podem estar inclusos, como secretária, limpeza e estacionamento. Alguns ambientes dispõem de salas de reuniões alugadas por hora e de anfiteatro para eventos.

ilustra-coworking-fontes-de-renda

ilustra-coworking-eventos

Perfil de quem trabalha no coworking
Os escritórios compartilhados inicialmente foram ocupados por startups e profissionais ligados às áreas de internet, tecnologia e indústria criativa (consultorias, agências de marketing e negócios sociais). Porém, o mercado vem criando nichos de todos os tipos. Já existem coworkings específicos para advogados, dentistas, empresas de moda e negócios que demandam estoque físico de mercadorias (storage).

ilustra-coworking-perfil

ilustra-coworking-quem-trabalha

vantagens

queixas

Na edição de julho, a revista “Pequenas empresas e grandes negócios” traz um guia com informações sobre os principais coworkings do Brasil (incluindo preço e infraestrutura oferecida), as principais diferenças entre home office e coworking, as vantagens e desvantagens de cada formato e as dicas para aproveitar ao máximo sua estadia.

Fonte: “Pequenas empresas e grandes negócios”.

RELACIONADOS

Deixe um comentário