Sábado, 3 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Crise faz brasileiro ter renda menor

A crise bateu na porta dos brasileiros: quase 60% viram sua renda cair nos últimos 12 meses, 84% estão gastando mais no supermercado e 55% não poupam dinheiro há muito tempo. Estes são alguns dos resultados da enquete realizada por Época NEGÓCIOS com seus leitores na internet, de 18 de junho a 4 de agosto. A pesquisa online comprovou que a inflação, com o aumento das tarifas de luz e água, somada à desaceleração da economia tiveram um impacto negativo na vida das pessoas.

A enquete trazia questões sobre finanças, consumo e tarifas. Dos 3.345 internautas que responderam ao questionário, 59% tiveram sua renda diminuída a partir de junho de 2014. Desses, 21% sentiram uma queda entre 10% e 30%, 16% entre 30% e 50%, 16% mais de 50% e outros 6% informaram que sua renda diminuiu pouco, até 10%. Do total, 28% disseram que seus rendimentos permaneceram os mesmos nos 12 últimos meses. Já para 13% a renda aumentou.

Entre aqueles que tiveram diminuição de renda, 29% são empresários e suas empresas faturaram menos no período. Outros 27% são autônomos e sentiram que a procura por seus serviços caiu. E 18% foram demitidos. Já outros 30%, que vivem de renda, afirmaram que seus rendimentos financeiros tiveram queda nos últimos 12 meses.

Com as dificuldades financeiras e a queda na renda, 41% deixaram de pagar alguma conta no período. Entre os que não honraram compromissos, 32% afirmaram que o atraso se deve às dificuldades financeiras, enquanto 9% admitem que essas dificuldades são anteriores ao último ano.

Quando o assunto é finanças, 55% informaram que não conseguem poupar dinheiro há muito tempo. Uma fatia de 23% diminuiu a quantidade que poupa mensalmente e 13% mantiveram o valor guardado mensalmente. Apenas 9% foram capazes de aumentar a quantia.

Consumo e tarifas

Com a prévia da inflação oficial apontando para 9,57% no acumulado dos últimos 12 meses, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), faz sentido que a grande maioria dos brasileiros tenha verificado um aumento nas despesas. Na enquete de Época NEGÓCIOS, 84% dos internautas perceberam uma alta nos gastos com supermercado – e 61% deixaram de comprar itens que antes faziam parte de sua vida. O impacto foi sentido também nos hábitos de consumo: 70% diminuíram a frequência com que comem fora de casa, 59% deixaram de comprar presentes para familiares e amigos em datas festivas e 34% deixaram de usar o carro ou diminuíram o uso para economizar combustível. Dos que tinham planos para viajar ao exterior, 39% desistiram da viagem devido à alta do dólar. Apenas 7% informaram que não alteraram seu estilo de vida e nem mudaram seu consumo.

As tarifas de energia elétrica e água, que registraram aumento de até 43%, pesaram nas contas dos brasileiros. Entre os internautas, 94% tiveram de pagar mais em sua conta de luz nos últimos meses, sendo que desse total 62% informaram um aumento de mais de 30% na tarifa e 22% registraram um custo maior entre 15% e 30%. Já 8% sentiram aumento de 5% a 15% e 2% pagaram até 5% mais. Uma pequena parcela, de 1%, afirmou que sua conta caiu. E 2% não sentiram alteração.

Na conta de água, um efeito semelhante: 69% comprovaram aumento na tarifa, 15% afirmaram que não houve alteração e 4% disseram que houve queda no custo. Entre os que sofreram aumento, 19% apontaram alta superior a 30%, 25% entre 15% e 30%, 18% de 5% a 15% e para 7% um aumento de até 5%.Já 12% disseram que não sabiam se haviam pago mais.

A crise hídrica, que afeta vários estados brasileiros, principalmente na região Sudeste, vem provocando problemas de abastecimento nas cidades. Na enquete, entretanto, 57% disseram não ter sofrido com falta de água, 15% afirmaram ter problemas apenas raramente e 17%, às vezes. Somente 4% informaram ter sérios problemas de abastecimento e 7% regularmente.

Fonte: Época.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.