Déficit das contas externas já ultrapassa ano de 2012

De janeiro a agosto, déficit somou US$ 57 bi, contra US$ 54 bilhões em 2012.
Banco Central baixa para US$ 60 bilhões previsão para investimento estrangeiro neste ano.

O déficit em transações correntes, que é formado pela balança comercial, pelos serviços e pelas rendas, um dos principais indicadores das contas externas brasileiras, somou US$ 57,95 bilhões de janeiro a agosto deste ano.

Com isso, o déficit parcial deste ano já superou o resultado negativo registrado em todo ano de 2012 (-US$ 54,23 bilhões, recorde histórico para um ano fechado).

Além de ter crescido fortemente e superado todo o ano passado, o déficit em conta corrente também representa novo recorde da série histórica da autoridade monetária, que tem início em 1947, para os oito primeiros meses de um ano.

Para todo este ano, o Banco Central manteve em US$ 75 bilhões sua estimativa para o resultado negativo da conta de transações correntes. O mercado financeiro, porém, acredita em um déficit maior neste ano: de US$ 78 bilhões.

Proporção com o PIB

Na proporção com o PIB [Produto Interno Bruto], os números também mostram forte deterioração do resultado em transações correntes. Nos oito primeiros meses deste ano, somou 4% do PIB, contra 2,12% do PIB em igual período do ano passado.

Ou seja, o déficit quase dobrou nesta comparação. Para todo este ano, a expectativa do Banco Central é que o déficit das contas externas some 3,35% do PIB.

Até o momento, o maior déficit externo já registrado aconteceu em 2012, no valor de US$ 54 bilhões. Na proporção com o PIB, será o pior resultado desde 2001 (4,19% do PIB), ou seja, em mais de dez anos.

Balança comercial piora

A piora no resultado das contas externas neste ano está relacionada, principalmente, com o fraco desempenho da balança comercial brasileira – que acumulou um déficit de US$ 3,76 bilhões nos oito primeiros meses deste. Em igual período do ano passado, foi computado um superávit de US$ 13,15 bilhões. Houve, deste modo, uma reversão de US$ 16,85 bilhões no saldo comercial de janeiro a agosto deste ano.

Os outros componentes das contas externas, entretanto, também mostraram deterioração de janeiro a agosto de 2013. O resultado negativo da conta de serviços, por exemplo, somou US$ 30,4 bilhões, o que representa um aumento frente ao déficit de US$ 25,9 bilhões registrado em igual período de 2012. Nas rendas, o déficit somou US$ 25,8 bilhões no acumulado de 2013 – com alta frente a igual período do ano passado (-US$ 20,6 bilhões).

Investimentos estrangeiros

A autoridade monetária informou que os investimentos estrangeiros diretos somaram US$ 39 bilhões de janeiro a agosto deste ano, com queda frente ao mesmo período do ano passado (US$ 43,2 bilhões).

A expectativa do Banco Central para este ano foi revisada para baixo nesta terça-feira. A previsão para o ingresso de investimentos em 2012 recuou de US$ 65 bilhões para US$ 60 bilhões. Com isso, o BC confirmou que espera queda frente ao patamar registrado no ano passado (US$ 65,2 bilhões).

Financiamento do déficit externo

Com isso, o Banco Central confirmou que o resultado negativo da conta corrente não foi integralmente “financiado” pela entrada de investimentos produtivos na economia brasileira até agosto e disse que espera que o mesmo fenômeno aconteça em 2013 fechado – algo que não acontece desde 2001.

Quando o déficit não é “coberto” pelos investimentos estrangeiros, o país tem de se apoiar em outros fluxos, como ingresso de recursos para aplicações financeiras, ou empréstimos buscados no exterior, para fechar as contas.

Analistas alertam, entretanto, que em um cenário de crescimento menor do PIB e menor disponibilidade de recursos nos mercados (com a sinalização do fim das medidas de estímulo nos Estados Unidos), e com uma confiança menor na economia brasileira, a atratividade do Brasil também é mais baixa – o que pode significar problemas no financiamento do déficit das contas externas.

Fonte: G1

RELACIONADOS

Deixe um comentário