Quinta-feira, 8 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Desemprego em alta pode ser duradouro

Expectativa é que o país encerre o ano com 1 milhão de vagas formais a menos do que começou

O início do segundo semestre é, tradicionalmente, o momento de recuo dos índices de desemprego, mesmo em anos difíceis. Em 2009, quando a economia sentia os efeitos da crise financeira global, a taxa chegou a 8,9% em abril, mas começou a cair em maio e encerrou o ano em 6,8%. Em 2003, o indicador subiu por seis meses seguidos, atingiu 13% em junho, para recuar levemente em julho e fechar o mês de dezembro em 10,9%. Em 2015, contudo, o país vive um momento sem precedentes, dizem economistas. E, ao invés de cair, neste semestre o desemprego pode continuar subindo.

— A curva (do gráfico) está completamente fora do padrão. O comportamento neste ano já está diferente dos outros e, provavelmente, vai continuar diferente. Pelo que a gente está olhando, é possível que ainda tenha crescimento do desemprego nos próximos meses — afirma João Saboia, professor do Instituto de Economia da UFRJ e especialista em mercado de trabalho.

José Márcio Camargo, economista da Opus Gestão de Recursos e professor de Economia da PUC-Rio, acredita que, mesmo no período de preparação para o Natal — em que o desemprego é reduzido por causa das vagas temporárias —, a taxa deve aumentar e encerrar 2015 entre 8% e 8,5%. No fim de 2016, o especialista estima que a desocupação afete 12% da força de trabalho:

— Nós não vamos ter mais taxa de desemprego em torno de 4% no futuro próximo se quisermos manter a taxa de inflação baixa e equilíbrio externo, que é o que faz a economia crescer próximo de 3%, 4%. Caso contrário, a economia vai desequilibrar. Estamos pagando pelo desequilíbrio do governo.

O cenário pessimista também é traçado pelo economista Rodrigo Miyamoto, do Itaú Unibanco. Ele prevê que o desemprego suba a 8% no fim deste ano e atinja, em 2016, a marca de 9,3%. E destaca o efeito da sequência de taxas negativas sobre a confiança na economia.

— De uma forma geral, essas altas consecutivas têm um impacto na confiança. Ainda mais partindo de uma tendência de queda que vinha se mantendo nos últimos anos. Isso deve preocupar os brasileiros — prevê.

Gabriel Ulyssea, pesquisador do Ipea e professor da PUC-Rio, discorda das previsões. Ele destaca que a taxa sempre aumenta no primeiro trimestre, mas este ano subiu também no segundo em ritmo maior que o normal. Mas esse movimento, acredita, não se repetirá no segundo semestre “pelos fatores sazonais”:

— Acho que não vai subir nesse ritmo galopante. Cair é difícil, é um exercício de chute, mas será bom se ela estabilizar e parar de crescer.

Demissões e maior procura por vaga

O desemprego em julho foi influenciado não só pelo aumento das demissões, mas também pela maior procura por emprego. A queda da renda, de 2,4% ante julho do ano passado, para R$ 2.170,70, colocou mais gente na briga por uma vaga. A população economicamente ativa — que engloba os empregados e os que estão em busca de vagas — cresceu 1,9% frente a 2014, somando 24,6 milhões de pessoas. Já aqueles que não estão trabalhando, nem à procura de trabalho são 19,3 milhões, um patamar quase estável frente a 2014. Significa que os que antes preferiam ficar em casa decidiram buscar emprego, sem sucesso.

— As pessoas estão buscando repor o orçamento familiar. Cada vez mais gente procurando, a concorrência está aumentando, e, na contramão, as vagas disponíveis estão diminuindo — explica o pesquisador Rodrigo Leandro de Moura, do Instituto Brasileiro de Economia da FGV.

Entre os que encontram as portas do mercado de trabalho fechadas está Carla Moreira, de 26 anos. Após oito anos procurando emprego com carteira assinada, a jovem conseguiu uma vaga de operadora de caixa num hipermercado. A experiência durou só dois meses, até ela ser demitida.

‘Tem que ter experiência’

Carla passou os últimos dois anos parada, investindo em cursos gratuitos e cuidando dos três filhos. Sua qualificação inclui um curso de formação de professores e um diploma técnico em contabilidade. Ela chegou a ouvir numa agência de empregos que “não adianta ter curso, tem que ter experiência”.

— Hoje não dá para escolher. Vou para o primeiro que tiver uma vaga — disse ela ontem, enquanto engordava a fila para o atendimento em uma agência do Sistema Nacional de Empregos (Sine), no Rio.

Para o azar de Carla, a expectativa é que o país encerre o ano com 1 milhão de vagas formais a menos do que começou. Saboia, da UFRJ, detalha que as demissões estão mais fortes na indústria e na construção civil, nos quais a ocupação caiu 4% e 5,2%, respectivamente, frente a julho de 2014. Mas, na média, o total de pessoas empregadas caiu 0,9%.

Fonte: O Globo

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.