Carlos A. Di Franco comemora as “decisões históricas” do Supremo

O jornalista Carlos Alberto Di Franco exaltou as “duas decisões históricas” recentes do Supremo Tribunal Federal (STF), que reconheceu os poderes de investigação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e definiu a validade da Lei da Ficha Limpa para as eleições de 2012.

No artigo “STF – decisões históricas“, Di Franco defendeu a necessidade de ampliação de sistemas investigativos: “Nada contra as corregedorias locais, muitas lideradas por magistrados íntegros e competentes. A experiência do corporativismo e do seu filhote, a impunidade, sugere que o Brasil não deve ver reduzidas ou limitadas as instâncias investigatórias, mas ampliadas.”

A validação da Lei da Ficha Limpa para as eleições municipais deste ano foi apontada pelo autor como “um golaço da sociedade e uma derrota da bandidagem”. Di Franco destacou o papel da imprensa: “a decisão evidencia a importância do trabalho da imprensa no combate à corrupção. É difícil encontrar um único ficha-suja cuja nudez não tenha sido iluminada pelos holofotes da imprensa de qualidade”.

Ao fim do artigo, o jornalista apontou “O secretismo” como um perigo para a democracia. Segundo ele, “o princípio da presunção da inocência deve ser garantido, mas não à custa da falta de transparência”.

RELACIONADOS

Deixe um comentário