Educação e crescimento: duas faces da mesma moeda

A convite do Instituto Millenium a diretora da Assessoria Cultural e Educacional (Acerta) Clara Sodré participou do evento “O Desafio da Educação: Perspectivas Globais e Experiência do Rio de Janeiro”. Organizado  pelo centro global da Universidade de Columbia no Rio de Janeiro, no dia 19 de março, o painel reuniu líderes de importantes instituições de ensino do mundo como o diretor do Programa Líderes em Educação Urbana Brian K. Perkins, da Teachers College; a professora de prática profissional Vishakha Desai, da Universidade Columbia; a presidente da Barnard College Debora Spar; e a chefe do departamento de educação da Pontificia Universidade Católica (PUC-RJ) Sonia Kramer.

Diante de uma platéia formada principalmente por profissionais de educação estrangeiros, Clara Sodré falou sobre sua a experiência na formação profissional de crianças superdotadas de baixa renda, através do programa “Estrela Dalva”. Todos os anos, o projeto seleciona 24 alunos de 50 escolas da rede ensino público em áreas carentes do Rio de Janeiro. A professora ressaltou a importância do treinamento de jovens com altas habilidades para o desenvolvimento econômico do Brasil. “Se queremos atingir níveis de excelência não podemos esquecer as crianças mais capazes, sobretudo as de baixa renda”.

Liderança e educação

O desenvolvimento da liderança do corpo docente foi o tema da intervenção de Brian K. Perkins da Teachers College. Perkins disse que nem todos os professores estão preparados para ajudar as crianças, por isso, os diretores das escolas precisam se comprometer com o treinamento e o desenvolvimento dos profissionais de ensino. Em seu diagnóstico sobre o sistema de ensino do Brasil, Sonia Kramer criticou o processo  de escolha dos diretores das escolas brasileiras. A professora da PUC afirmou que em muitos casos os nomes dos diretores são definidos por indicações políticas. Ela explicou que diferentemente do Rio de Janeiro, a realização de eleições não é a realidade de grande parte das instituições de ensino do país.

Os países asiáticos como modelo de educação

O investimento pesado em educação foi a principal estratégia adotada pelos países  asiáticos como Cingapura, Coreia do Sul, China e Índia para promover o crescimento de suas economias. A presidente da Asia Society Vishakha Desai disse que os estudantes precisam ser treinados para ter uma competência global, ou seja, as instituições de ensino devem incentivar os estudantes a conhecer novas culturas, ampliando sua capacidade de comunicação com o mundo.  A líder indiana também destacou a importância da fiscalização de todos os investimentos em educação e da integração de escolas que atingiram a excelência com aquelas que tiveram um desempenho abaixo da média.

 

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. Eber

    Boa inciativa pra esse encontro, expondo ideias para melhorias, no entanto no campo das ideias tudo é muito bom, mas a relaidade brasileira está muito longe de ser melhorada, posto que não há interesse do poder público na educação.