Especialistas preveem mais demissões ao longo de 2015

Na visão de especialistas, a taxa de desemprego deverá subir de forma mais significativa nos próximos meses. O país precisa gerar 1,8 milhão de postos de trabalho por ano para absorver a População Economicamente Ativa (PEA, que representa a força de trabalho) e está perdendo empregos, disse o ex-diretor do Departamento de Emprego e Salário do Ministério do Trabalho, Rodolfo Torelly.

Segundo ele, as mudanças nas regras do seguro-desemprego vão prejudicar ainda mais os trabalhadores de setores com ciclo de atividade mais curto, como construção civil e comércio.

O economista Rafael Bacciotti, da Consultoria Tendências, também prevê que as demissões cresçam no país, diante da retração da atividade econômica em 2015. Ele observou que o Caged ainda vai mostrar de forma mais intensa os efeitos da Operação Lava-Jato no mercado de trabalho.

— A perspectiva de contração de atividade indica que o processo de demissões no Caged continuará ocorrendo ao longo do ano, inclusive captando os efeitos negativos da operação Lava Jato — destacou Bacciotti.

Nesta quarta-feira, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) informou que o mês de fevereiro foi o pior em ritmo de criação de empregos formais no país em 16 anos, segundo balanço do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

No mês passado, foram fechados 2.415 postos de trabalhos formais no país. No ano passado, para o mesmo mês, haviam sido criadas 260 mil novas vagas. O resultado é o pior, em meses de fevereiro, desde 1999, quando foram fechadas 78 mil vagas, na esteira da crise internacional que teve início em 1998.

Fonte: O Globo.

RELACIONADOS

Deixe um comentário