Fraldas e fraudes

Cuidando do neto recém-nascido, Dilma Rousseff trocou fraldas. Mais precisamente, trocou fraldas por fraudes.

A candidata do PT iniciara a entrevista coletiva dizendo que só ia tratar de assuntos de bebê. Mas quando um repórter, aceitando o jogo, foi lhe perguntar sobre fraldas, ela se irritou e negou-se a falar sobre fraudes. No fundo, dá no mesmo.

As fraldas de Dilma são, em si, uma fraude. Sua campanha oferece ao eleitorado infantilóide a maternidade como plataforma de governo. E sob essa fraude desfilam todas as outras, tranqüilamente, imunes às pesquisas de opinião.

O bom entendedor – essa espécie em extinção – já notou que Dilma representa a privatização partidária do Estado brasileiro. E o escândalo da Receita Federal em plena eleição veio ilustrar, como uma charge gritante e bizarra, esse projeto deletério de poder. E agora?

E agora, nada. A pesquisa Datafolha mostrava Dilma com 50% de intenções de voto antes do escândalo. E mostra Dilma com 50% das intenções de voto depois do escândalo.

É um escândalo.

E não vale nada a ressalva de que a candidata do PT caiu 5 pontos nas faixas de maior escolaridade. No Sudeste inteiro, São Paulo e Rio em particular, continua desenhada a vitória de Dilma. A população mais esclarecida, capaz de entender perfeitamente a gravidade desse atentado, com pegadas petistas e complacência governamental, não está nem aí.

O Brasil culto (sic) está alinhado aos grotões na aprovação ao jogo bruto da conspiração.

Pensando bem, não é novidade. O mensalão também foi aprovado pela opinião pública. Dilma e seus companheiros não têm o que temer. O cidadão violentado, como diria Marta Suplicy, relaxou e gozou.

São tantas as cartas marcadas, que ninguém mais presta atenção. A despachante de Dilma na Casa Civil, Erenice Guerra, apontada por testemunhas como operadora do dossiê Ruth Cardoso, não só saiu do episódio sem um arranhão. Virou ministra.

Agora é denunciada por tráfico de influência. Adivinhem envolvendo que estatal? Sim, uma das preferidas pelo apetite petista: os Correios.

Não se sabe ainda ao certo o que se passou desta vez. O que se tem, por enquanto, é uma nota da ministra acusada em que ela, em vez de refutar a denúncia, faz um editorial contra a imprensa burguesa.

O Brasil não está cansado desse filme velho. As pesquisas mostram que a troca de fraldas e fraudes está liberada.

Publicado no blog de Guilherme Fiuza no portal da revista “Época”

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. Infelizmente o povo menos esclarecido vive o HOJE, não tem visão nem preocupação com o amanhã. Essa parcela de povo manipulado e comprado não lê, não tem opinião e o pior, não sabe onde vamos parar se 50% do programa de governo do PT for implantado, ninguém acredita que o Brasil pode virar uma Bolívia ou Venezuela, o importante é que tem pra cachaça e para o churrasco do final de semana.