Sexta-feira, 2 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Governo oficializa ‘nova’ CPMF com previsão até 2019

Pacote de medidas fiscais anunciado na semana passada foi enviado ao Congresso, com texto da reedição do imposto

O governo enviou nesta-feira, 22, ao Congresso o pacote de medidas fiscais anunciado na última semana, que inclui a reedição da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). O potencial de arrecadação das propostas apresentadas é de R$ 10 bilhões em 2015 e R$ 32 bilhões em 2016, além de uma economia anual de R$ 2 bilhões.

Pelo texto apresentado, a alíquota da CPMF será de 0,20%. Apesar de especulações sobre a possibilidade de recuo do Palácio do Planalto, foi mantido o prazo de quatro anos de vigência do tributo, assim como havia indicado o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. A proposta prevê cobrança até 31 de dezembro de 2019. A arrecadação da contribuição será destinada ao custeio da Previdência Social e não como receita extra para o caixa do governo.

O texto, no entanto, pode passar por alterações. O imposto pode ser elevado de 0,20% para 0,38%, como funcionava até dezembro de 2007, antes de ser extinta. O governo tem trabalhado para que governadores aliados ao Planalto apoiem a elevação da alíquota no Congresso, sendo que o 0,18 ponto porcentual a mais seria destinado para os Estados e municípios. O prazo também pode cair de quatro para algo entre dois e três anos.

Para facilitar o convencimento da ampliação de alíquota, o governo está disposto a reduzir a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de forma proporcional ao aumento da CPMF. Em 2008, quando a Contribuição foi extinta, o governo aumentou em 0,38 ponto porcentual as alíquotas de IOF para compensar parte da perda da arrecadação.

O texto que trata da CPMF foi enviado em forma de Proposta de Emenda à Constituição (PEC), mesmo sob dúvidas da capacidade do governo de garantir o voto favorável de 308 deputados em dois turnos para que o projeto seja aprovado pela Câmara. Nos últimos dias, foi levantada a possibilidade de que a proposta fosse apresentada em projeto de lei complementar, que exigiria 257 votos em dois turnos.

Assim que o envio das novas medidas fiscais foi oficializado, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou que o pacote, incluindo a reedição da CPMF, ainda terá “uma longa tramitação”. “O governo enviou a proposta da PEC para começar a tramitar na Câmara, tem uma longa tramitação. E eu acho difícil, pouco provável que passe”, afirmou. Cunha reforçou sua posição contrária à criação do imposto e disse que a chance de a votação acontecer neste ano “é zero”.

Pacote– Entre as medidas enviadas ontem ao Congresso, está a PEC que elimina o chamado abono de permanência, benefício pago a servidores públicos que optam por continuar trabalhando mesmo após aposentar. Com a medida, o governo espera economizar R$ 1,2 bilhão anualmente.

Outra mensagem assinada pela presidente Dilma Rousseff define o envio de projeto de lei que visa garantir o cumprimento do teto salarial de servidores públicos. A economia prevista é de R$ 800 milhões ao ano.

Também foi enviada a Medida Provisória 692, que muda a tributação do Imposto de Renda de Pessoa Física e Jurídica sobre ganho de capital. Ela cria quatro faixas de tributação: para ganhos de até R$ 1 milhão, a cobrança será de 15% de imposto; de R$ 1 milhão a R$ 5 milhões, 20%; de R$ 5 milhões a R$ 20 milhões, 25%; e mais de R$ 20 milhões, 30%. A expectativa é arrecadar R$ 1,8 bilhão com essa medida.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.