Vitor Wilher analisa artigo do “Financial Times” “Brazil’s monetary jeitinho”

Vítor Wilher

Em artigo intitulado “Brazil’s monetary jeitinho”, o “Financial Times” criticou a equipe econômica do governo Dilma Rousseff, na última terça-feira, 16 de janeiro. O jornal britânico afirma que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o Banco Central (BC) estão virando “profissionais” no uso do “jeitinho” nas contas do governo. “Com o crescimento ainda lento e os preços subindo mais rápido do que o esperado, o Banco Central do Brasil e o Ministério da Fazenda também estão se tornando profissionais do ‘jeitinho’”, diz o texto.

O economista e especialista do Instituto Millenium, Vitor Wilher, explica que os artifícios que têm sido usados tanto no lado fiscal, com a “contabilidade criativa”, para cumprir a meta de superávit, quanto no lado monetário, no cumprimento da inflação, respaldam as críticas internacionais. “O ativismo do governo deixa o empresário confuso sobre como deve se comportar: se investe em pesquisa ou se monta um escritório em Brasília para estar mais perto do poder”.

Na opinião de Wilher, a imprevisibilidade da atual política econômica está associada à queda dos investimentos nos últimos trimestres. “Falta uma agenda, faltam regras e autonomia do banco central. Uma política econômica previsível, guiada por regras é provadamente melhor do esta que o governo Dilma vem praticando”.

Segundo o “Financional Times”, Mantega tem recorrido ao “jeitinho” para controlar a inflação.  A matéria cita uma entrevista do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, para a rádio “Estadão”, em que ele diz que Mantega lhe pediu para adiar o aumento da tarifa dos ônibus por alguns meses para facilitar a inflação.

O jornal afirma ainda, que o presidente do BC, Alexandre Tombini, vem permitindo que as taxas de juros cobradas durante a noite fiquem abaixo da meta de 7,25%, mesmo sem anunciar de fato o corte dos juros.

Essa não é a primeira vez que Mantega foi criticado pela imprensa internacional, em dezembro passado, a revista britânica “The Economist” chegou a sugerir que o ministro deveria ser demitido. Apesar de criticar o uso do “jeitinho” na política econômica, o “Financial Times” ressalta que todas as medidas do governo são legais.

 

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. Rodrigo Fernandes

    Completamente perdidos eu diria, incrível as expectativas não influenciadas apenas pelo índice que será apresentado em janeiro, meus olhos ardem ao ler tal coisa.