Quinta-feira, 8 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Indústria vira semestre sem perspectivas de recuperação

Estoques elevados, demanda fraca e falta de perspectivas de mudanças conjunturais afetam nível de investimentos e empregos no setor

A indústria de transformação deve encerrar o segundo trimestre do ano com queda na produção superior a 2% em relação ao primeiro, completando oito trimestres seguidos de retração. E, para piorar, entrará no segundo semestre com os estoques elevados, os mais altos desde fevereiro de 2009. A sinalização pouco animadora ao setor vem da Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação do mês de junho, divulgada nesta terça-feira pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/IBRE).

O estudo mostra ainda que, as perdas que desde meados do ano passado afetavam mais duramente os setores industriais de bens duráveis, como os fabricantes de veículos e de eletrodomésticos, já contamina também os não-duráveis, como alimentos e produtos farmacêuticos. Para 49% das 1.134 indústrias consultadas na sondagem, a situação atual — que combina demanda fraca, acúmulo de estoques, queda nas margens de lucro e dificuldade de acesso ao crédito — não deve melhorar no curto prazo, enquanto que 37% falaram em situação ainda pior.

— Os resultados da sondagem em maio e junho indicam que o setor terá queda na produção neste segundo trimestre, e vai virar o semestre estocado e com a necessidade de calibrar ainda mais para baixo a produção. Portanto, não será no terceiro trimestre que a indústria vai voltar a crescer — avalia o economista Aloisio Campelo, responsável pela sondagem, acrescentando: — Isso é muito ruim para a economia, porque é com base nessas perspectivas que as empresas tomam decisões de investimento e de contratação de pessoal. Assim, temos uma “retroalimentação” da situação atual.

Demanda doméstica fraca

Na análise da situação atual, 47,2 % das empresas disseram que a demanda doméstica está fraca, levando este indicador a pior patamar desde 1992. Ao mesmo tempo, o índice de avaliação da demanda externa está no menor patamar desde a crise de 2009.

— Isso revela uma demora maior que a previamente prevista pelas empresas de aproveitamento do câmbio mais valorizado, que foi atrapalhado por fatores como a desvalorização de moedas locais também em outros países, e a inflação elevada aqui, que aumenta custos e ‘come’ um pouco da competitividade das empresas nacionais — observa Campelo.

O esfriamento da atividade econômica e o aumento do desemprego, que compromete a renda, já se faz sentir também na confiança dos setor de bens não-duráveis, que no mês passado atingiu seu menor nível em termos relativos. O índice que mede as perspectivas de contratação/demissão de pessoal na indústria no próximo trimestre atingiu o menor nível desde 2005, com 30,9% das empresas prevendo demissões.

— A queda no indicador de confiança desse setor reflete o aprofundamento da desaceleração da economia, e tem relação com a piora do mercado de trabalho. Com renda menor, as pessoas estão tendo de segurar o consumo — diz Campelo.

Fonte: O Globo

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.