Inglaterra: Depois dos ataques, a falta de liberdade?

O governo britânico está estudando interromper os serviços de redes sociais online, como o Blackberry Messenger e o Twitter, durante o período de agitação nas ruas, disse o primeiro-ministro David Cameron.

Quando outros países como o Egito e a China ameaçaram fazer o mesmo, a iniciativa foi tachada de repressiva e condenada. Em janeiro, autoridades egípcias interromperam os serviços de Internet e telefonia móvel durante as manifestações em massa contra o então presidente Hosni Mubarak. A China também costuma ser rápida no bloqueio de comunicações online que considere subversivas.

A polícia e políticos britânicos dizem que redes sociais da Internet, em especial o popular Blackberry Messenger (BBM), da Research in Motion, foram usadas por desordeiros e saqueadores para coordenarem seus atos durante os quatro dias de distúrbios na Inglaterra nesta semana.

Fonte: “O Globo”

No site do Instituto Millenium, veja o videocast onde o jornalista Guilherme Fiúza fala sobre mobilização através da Internet e Juventude.

 

 

RELACIONADOS

Deixe um comentário