Levy: contingenciamento foi ‘adequado’

Depois de criar polêmica ao não participar do anúncio do corte no orçamento, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, convocou uma entrevista na portaria do prédio da pasta para comentar o ajuste fiscal e também dizer que não pretende aumentar impostos como noticiado. Ele defendeu que o Brasil tem de passar por um momento de profundo ajuste e admitiu que a economia brasileira possa ter encolhido no primeiro trimestre deste ano.

— O contingenciamento teve o valor adequado. É uma das políticas que estão sendo postas em prática. É uma parte importante. Outras partes são mais estruturais como o realimento de preços, atividades de concessões e o ver como a gente reorganiza o financiamento de longo prazo agora que acabou o dinheiro — disse o ministro.

Segundo o ministro, o corte no orçamento é fundamental para o cumprimento da meta de economia para pagar juros da dívida e para a busca do equilíbrio fiscal perdido, já que o Brasil tem um “problema de arrecadação”. Levy ressaltou que nos últimos anos, a arrecadação não tem atendido às necessidades do governo: tem se vivido de receitas extraordinárias e de programas como o Refis (refinanciamento de dívidas) e ao mesmo tempo o governo abria mão de receitas com o programa de desonerações. Ele defendeu que é preciso uma situação um pouco mais equilibrada.

— Apesar do déficit primário, que foi muito grande e botou em risco o rating, o PIB não foi muito grande e as empresas não investiram. O contingenciamento foi uma coisa muito importante. A gente cortou na carne.

Sobre a possibilidade de elevação de outro tributos, Joaquim Levy disse que não “tem calculado nada de IOF”. A possibilidade de aumento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) era aventada na semana passada.

— A gente tem de ir com calma na parte de imposto. Não adianta a gente inventar novos impostos como se isso fosse salvar a economia brasileira. Não é por aí. A gente tem uma coisa mais profunda, que não se resolve com coisas fáceis por mais emocionantes que possam ser.

Quando questionado sobre a previsão de a economia ter encolhido no primeiro trimestre, ele respondeu que, no começo do ano, havia grandes temores e muitos agentes econômicos se retraíram. Havia preocupação em relação a downgrade, relação à Petrobras e também muito medo em relação à questão energética.

— Muitos desses medos desapareceram. Tem gente que acha que foi tudo resolvido. O que não é verdade. Do plano do governo, apenas uma parte foi implementada até agora — frisou Levy. — No começo do ano, os agentes estavam em grande expectativa e retraimento. Não seria surpresa a gente ver uma situação dessas (retração). O que interessa é que vem pela frente.

Para ele, o momento é de enfrentar temas que vão além disso, como competitividade e produtividade. A necessidade agora é “fazer um ajuste estrutural” porque mudaram as condições de economia brasileira e o preço internacional das commodities — que beneficiava as exportações — não é mais o mesmo.

— Apesar de o governo ter dado muito incentivo fiscal, as empresas não tiveram um desempenho muito forte. Questões de como a gente pode ter a economia brasileira ter mais vitalidade e não necessariamente só botando dinheiro público — defendeu Levy. — As receitas previstas pelo Orçamento, aprovado há um mês, não tem conexão com a realidade da arrecadação. O PIB não está devagar por causa do ajuste. O ajuste está sendo feito porque o PIB está devagar.

A entrevista de Levy na portaria foi uma surpresa, já que o ministro — quando assumiu o posto — prometeu não falar na entrada do ministério.

Fonte: O Globo

RELACIONADOS

Deixe um comentário