Sexta-feira, 9 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Maioria da classe C não entende ajuste fiscal

O ajuste fiscal não sai da mídia e do debate político – mas isso não significa que a população esteja bem informada sobre ele.

Uma pesquisa feita por telefone com 2.003 moradores de 129 municípios brasileiros com foco na classe C mostrou que 58% não sabem explicar o que significa o termo “ajuste fiscal”.

“Podemos estimar que aproximadamente 2/3 dos brasileiros da classe media emergente não compreende o esforço fiscal do governo federal. Isso ajuda a explicar a queda brusca da popularidade presidencial” diz Mauricio Moura, Diretor Geral do Ideia Inteligência, responsável pelo levantamento junto com a Vertude.

Dentro daquele universo de quem entende o termo (41,37%), as palavras mais utilizadas para explicar o que ele significa foram “contas em dia” (31,6%), “imposto” (18,32%) e “despesas” (17,08%).

Opiniões

A pesquisa também perguntou aos entrevistados se o governo faz o mesmo que eles quando falta dinheiro para pagar as contas. A grande maioria disse que “não” (71,88% entre quem sabe o que significa ajuste fiscal e 78,63% entre os que não sabem).

“Existe uma evidente percepção da opinião publica que os governos não tem a mesma atitude do cidadão comum em relação a administração dos recursos. Esse distanciamento é mais um elemento que alimenta o sentimento negativo em relação a classe politica”, diz Moura.

Quando perguntados o que o governo faz de diferente quando não tem como pagar as contas, as palavras mais mencionadas pelos entrevistados foram “Imposto”, “Rouba” e “Pega do trabalhador”.

“Ou seja, a percepção geral aponta que o governo sempre estende o custo dos constantes déficits para a sociedade” conclui Moura.

Definição

Em tempo: ajuste fiscal é o esforço do governo – neste caso, o federal – para cortar despesas e aumentar receitas com o objetivo de reverter a trajetória de deterioração das contas públicas.

A ideia é conseguir um saldo de recursos para conter o aumento da dívida, afastar o risco de calote e com isso recuperar credibilidade, além de reprimir a demanda interna.

Capitaneado pelo ministro Joaquim Levy, o ajuste tem sido prejudicado pela queda constante da receita devido à contração econômica e pela aprovação de vários aumentos de gastos pelo Congresso.

Fonte: Exame

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.