Migalha sexista

Dia Internacional da Mulher.

Dia internacional da demagogia machista.

Dia dos canastrões tentarem fazer bonito com o sexo oposto.

Dia das matérias deprimentes sobre a afirmação feminina na sociedade.

Dia das mulheres aceitarem essa esmola moral de que não precisam.

Dia de receber flores protocolares e tristes em homenagens fajutas.

Dia de justificar a existência dessas feministas do governo que embargam propaganda de cerveja em hipócrita defesa da honra feminina.

Dia das feministas que vivem do fetiche da opressão.

Dia de reverenciar a mulher como se ela fosse o mico-leão dourado.

Dia da gentileza dos homens que cometem 364 dias de grossura.

Dia do Adriano não ir a baile funk deixando a noiva em casa.

Dia de festejar Kathryn Bigelow, a grande vencedora do Oscar, não porque tem talento, mas porque usa saias.

Dia de exaltação preconceituosa a mulheres presidentes, empresárias e líderes – submetendo seus méritos ao seu sexo.

Dia de tratar a metade mais fértil e bela da humanidade como um souvenir.

Dia de eternizar o lamentável clichê do sexo frágil.

Dia das mães, filhas, avós, esposas, amantes e mulheres de todo o mundo dizerem: não queremos essa migalha sexista que é o Dia Internacional da Mulher.

(Publicado em Época)

RELACIONADOS

Deixe um comentário