Domingo, 4 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Ministério Público encontra indicativo de irregularidade em arrecadação de 13% dos candidatos do país

O Ministério Público Federal identificou indicativos de irregularidades na arrecadação de 13,2% (65.268) dos 493.906 candidatos a prefeitos, vice-prefeitos e vereadores do país. Cruzando dados dos doadores com outros órgãos públicos, o MPF identificou três tipos de irregularidades: presença de doadores cuja renda é incompatível com o valor doado; doadores beneficiados em programas sociais e que aparecem como desempregados no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, o que indica não ter recursos para doar; e doadores que já morreram, e que estão registrados no Sistema de Controle de Óbitos, o que, segundo o MPF, indica lavagem de dinheiro na campanha.

Por percentual, os cinco estados com maior número de candidatos suspeitos são: Santa Catarina, com quase um quarto dos candidatos nessa “lista suja” (25,22%), seguido do Rio Grande do Sul, 23,54%; Piauí, com 23,33%; Rio Grande do Norte, 23,32%; e Mato Grosso, com 18,98%.

Esse grupo que identifica irregularidades envolve, além do MPF, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Tribunal de Contas da União (TCU), a Controladoria-Geral da União (CGU), a Receita Federal e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Identificadas, essas suspeitas são enviadas ao Ministério Público Eleitoral, e cabe ao promotor eleitoral avaliar cada situação e, se achar necessário, abre ações eleitorais.

Beneficiários do Bolsa Família doam R$ 16 milhões

Em cruzamento de dados feitos pelo TSE foram detectadas doações para campanhas eleitorais de quase R$ 16 milhões feita por pessoas que recebem o Bolsa Família. Essas informações seriam repassadas nesta quinta-feira pelo presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, ao ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra.

Desse total, R$ 5.157.328,45 foram em recursos financeiros e a maior parte – R$ 10.813.108,10 – em bens estimáveis. As chamadas doações em estimáveis são aquelas em que é calculado o valor do trabalho que a pessoa prestou para a campanha, o valor do empréstimo de um carro ou um galpão, entre outros exemplos.

O maior partido da Câmara, o PMDB, é o que mais recebeu doações em financeiro (R$ 410,7 mil) e o segundo em bens estimáveis (1,1 milhão). O PSD aparece em seguida, com R$ 326,3 mil doações financeiras e R$ 1,1 milhão em estimáveis.

No ranking geral, considerando o total de doações, a liderança é do PTB, com R$ 1,7 milhão, sendo que R$ 1,5 milhão em estimáveis e o restante em financeiro. Os candidatos do PSDB receberam ao todo R$ 1 milhão de doadores do Bolsa Família, sendo R$ 712,7 mil em estimáveis e R$ 296,1 mil em financeiro. O PT está em quinto no ranking geral de doações, com R$ 914,2 mil , sendo R$ R$ 321,3 mil em financeiro e o restante em bens estimáveis.

Fonte: “O Globo”.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.