“Modelo Uber” vira tendência e é usado em apps de todos os setores

Dog Hero

Modelo que conecta clientes a prestadores de serviços está sendo replicado em mercados que vão de pets a guinchos

Agilidade na contratação, pagamento automático no cartão, serviço padronizado, geolocalização.

Cada vez mais pessoas se rendem à “lógica Uber” na hora de contar com os mais diversificados tipos de serviços: do cuidador de cachorros na hora de viajar à faxineira semanal.

Cansada de ter problemas com empregadas domésticas fixas, a designer de móveis Renata Távora, de 30 anos, descobriu o aplicativo Parafuzos há um ano. Pelo menos uma vez por semana chama uma faxineira pela plataforma.

Por ela, consegue escolher a quantidade de horas desejada e incluir serviços extra – como limpar a geladeira ou vidros de janelas. O preço é calculado automaticamente e a fatura vem no cartão. “Da última vez eu paguei R$ 147”, diz ela, que mora em um apartamento em Moema, zona sul de São Paulo.Um dos sócios da empresa, Felipe Augusto Brasileiro, de 26 anos, conta que a ideia original foi criar “um Uber de serviços domésticos”.

“Começamos oferecendo pequenos reparos, há três anos, mas a falta de padronização se tornou um problema. Então partimos para o ramo de limpeza doméstica”, explica. Deu certo: hoje 20 mil casas por mês são atendidas pelo app, que tem 2,5 mil profissionais cadastradas. Regina Nakamura, de 48 anos, decidiu se inscrever no aplicativo há quase dois anos depois de passar por várias dificuldades profissionais.

“É muito prático trabalhar assim e sou dona dos meus horários”, diz. Foi uma necessidade particular que levou o empresário Eduardo Baer (foto, à esquerda), de 32 anos, a fundar a DogHero, uma plataforma de anfitriões de cães – quase um AirBnb para pets, voltado a quem vai viajar e não tem com quem deixar o melhor au-migo.

Baer foi um dos criadores do aplicativo iFood, de delivery de comida e, depois de uma temporada fora do País, estava de volta. “Falei para minha mulher que gostaria de morar em uma casa e ter um cachorro”, conta o empresário. Como o casal sempre gostou de viajar, esbarrou no problema: com quem deixar o bicho?

Em agosto de 2014, depois de pesquisar e encontrar soluções semelhantes no exterior, nascia a DogHero: hoje com 10 mil anfitriões em 650 cidades do País e um crescimento mensal de 25%. E Baer, afinal, pode ter um mascote próprio? “Não”, ri ele, que mora em uma casa na Vila Madalena, na zona oeste.

“Acabei me tornando um dos anfitriões cadastrados, então todo fim de semana tem um cachorro diferente em casa.” Então secretária de um escritório de advocacia, Gabriela Almeida da Silva, 25 anos, precisou recorrer ao serviço em 2015, quando teve de viajar. Gostou e acabou se tornando ela própria uma anfitriã. Em 2016 ficou desempregada e decidiu se dedicar apenas ao DogHero.

Quase todo fim de semana tem um hóspede em sua casa. “Mês com feriados, como o de abril, são ótimos”, conta ela.Cliente recorrente dela é a assessora de eventos Mara Lima, 37 anos. Ou melhor, seus cães “pitlatas” – mistura de pitbull com vira-lata – Caco e Thor. “Ela passa toda a confiança e manda informações e fotos deles por WhatsApp”, diz Mara.

No gol
Problemas mais inusitados também têm sido resolvidos pelos aplicativos. De olho na demanda dos peladeiros que nunca querem jogar no gol, o empreendedor Samuel Toaldo, de 33 anos, criou o Goleiro de Aluguel. Por R$ 30 a hora, contrata-se um sujeito para jogar no gol enquanto os amigos batem bola.

Ele conta que a sua base tem hoje 8 mil goleiros cadastrados e intermedeia cerca de 800 aluguéis por mês. Ex-auditor de uma metalurgia, Gustavo Peyerle, de 30 anos, morador de Curitiba, no Paraná, é um dos mais atuantes. Chega a fazer 25 jogos por mês. Quando perdeu o emprego, há um ano, “a renda com o aplicativo era o que quebrava o galho”.

Hoje em dia, é motorista Uber ao longo do dia e Goleiro de Aluguel à noite. “Desde criança, eu sempre joguei no gol”, diz.Há dois meses, a seguradora Ituran lançou no mercado o aplicativo 55 Guinchos, que oferece serviço de guincheiros seguindo a lógica do Uber. “Para o cliente, conseguimos padronizar o valor e garantir a qualidade do serviço”, conta o gerente de projetos da empresa Fábio Acorci, de 43 anos.

Por enquanto disponível só na Grande São Paulo, o serviço já tem mais de 500 prestadores cadastrados – e já realizou 4 mil operações. Colecionador de carros antigos, o administrador de imóveis David Pacheco e Silva, de 41 anos, usou duas vezes e foi convencido da eficiência. “Da primeira vez, o guincho chegou em 10 minutos – quando normalmente é um serviço que leva 1h30 para iniciar”, conta ele.

Já o aplicativo Loggi, de motoboys, foi o que salvou a administradora de empresas Laura Melaragno, de 30 anos, de não perder um voo para Londrina . “Eu estava na (avenida) 23 (de Maio) quando notei que havia esquecido a carteira com os documentos todos no trabalho. Acionei o aplicativo e um motoboy buscou o material no escritório, e chegou antes de mim ao aeroporto. Paguei R$ 25”, conta.

Fonte: “Pequenas empresas & grandes negócios”

RELACIONADOS

Deixe um comentário