Nascidos entre 80 e 90 tendem a ter um pensamento econômico próprio

Jovens da geração Y tendem a ter um pensamento econômico próprio. Não há espaço para a clássica rivalidade entre liberais e desenvolvimentistas, segundo matéria do jornal “O Globo”.

O professor de sociologia da Universidade de Brasília (UnB) e doutor em economia Marcel Dursztyn afirma que essa geração não carrega a ideologização dos pais e não “demoniza” o pensamento contrário. “São pessoas que rejeitam o provincianismo. São cosmopolitas, adoram classificar tudo em rankings e são viciadas em informação. Não são dogmáticos, mas pragmáticos. “

A matéria faz um contraponto entre essa geração e a dos yupies, jovens que chegaram ao mercado de trabalho e dominaram Wall Street nos anos 90.“Para a geração Y, o Fundo Monetário Internacional (FMI) não ditará mais as regras. A desregulamentação do sistema financeiro, que gerou a crise, será combatida. Novas teorias serão inventadas. O pensamento econômico será reescrito e testado”.

O consultor Sidnei Oliveira, autor do livro “Geração Y: o nascimento de uma nova versão de líderes”, garante que está determinado a esses jovens modificar profundamente os paradigmas e premissas estabelecidos.

Leia a matéria aqui.

Fonte: O Globo

 

RELACIONADOS

Deixe um comentário