O preço da verborragia

As desastradas declarações do presidente Lula sobre questões envolvendo presos políticos no Irã e em Cuba, e a primeira demonstração da perda de respeito por Lula no exterior, com a declaração do presidente Álvaro Uribe, foram comentadas no editorial do “Estado de S. Paulo” de 31 de julho:

“Os iranianos que se manifestavam contra a fraude que permitiu a reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad, em junho do ano passado, nada podiam fazer quando o presidente Lula comparou os seus protestos ao “choro de perdedor” dos torcedores de um time de futebol e reduziu os choques de rua em Teerã entre os opositores e as forças de repressão do regime a “apenas uma coisa entre flamenguistas e vascaínos”.

Também os presos políticos cubanos não tinham como responder ao dirigente brasileiro quando, em março último, ele condenou a greve de fome que levou à morte o dissidente Orlando Zapata Tamoyo, por sinal na véspera de uma visita de Lula a Havana, onde considerou o seu sacrifício “um pretexto para liberar as pessoas” – e foi além. “Imagine”, comparou, “se todos os bandidos presos em São Paulo entrarem em greve de fome e pedirem liberdade.”

Muito menos poderia retrucar ao presidente a iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani, condenada à morte por apedrejamento por alegado adultério. Perguntado dias atrás sobre a campanha “Liga Lula” para que interceda pela sentenciada junto ao seu bom amigo Ahmadinejad, ele reagiu: “As pessoas têm leis. Se começarem a desobedecer as leis deles para atender o pedido de presidentes, daqui a pouco vira uma avacalhação.”

Mas há quem possa dar-lhe o troco. Foi o que fez o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, depois que um leviano e boquirroto Lula desdenhou do agravamento das tensões entre Bogotá e Caracas. O protoditador Hugo Chávez rompeu as relações da Venezuela com o país vizinho em represália à decisão colombiana de apresentar na OEA as provas da presença de 1.500 membros da organização narcoterrorista Farc em território venezuelano, obviamente sob a proteção do caudilho.

Lula, cuja primeira manifestação a respeito já tinha deixado claro o seu alinhamento automático com Chávez – “as Farc são um problema da Colômbia, e os problemas da Venezuela são da Venezuela”, sofismou -, reincidiu na quarta-feira, véspera da reunião dos chanceleres da ineficaz União das Nações Sul-Americanas (Unasul), em Quito. O tema do encontro, que deu em nada, era o conflito político entre os dois países. “Falam em conflito, mas ainda não vi conflito”, minimizou Lula. “Eu vi conflito verbal, que é o que mais ouvimos aqui nessa América Latina.”

Equiparar a um bate-boca um problema dramático para a Colômbia, que passou 40 anos sob o terror das Farc antes de serem reduzidas à mínima expressão possível pela firmeza com que as enfrentou o presidente Uribe, foi nada menos do que um inconcebível insulto a uma nação e ao seu governante. Uribe, que difere de Lula por falar pouco e fazer muito, não poderia fingir que não ouviu a afronta.

Ele replicou com a mais dura mensagem já dirigida a um chefe de Estado brasileiro, até onde chega a memória. “O presidente da Colômbia”, dispara a nota, “deplora que o presidente brasileiro, com quem temos cultivado as melhores relações, refira-se a nossa situação com a Venezuela como se fosse um caso pessoal.” Uribe ainda o acusou de ignorar a ameaça que a presença das Farc na Venezuela representa “para a Colômbia e o continente”.

Trata-se da primeira demonstração da perda de respeito por Lula no exterior – e ele só tem a culpar por isso a sua irreprimível logorreia. Não terminasse o seu mandato daqui a 5 meses, a erosão de sua imagem internacional só se intensificaria. Não seria de espantar se um dia alguém o admoestasse, como o rei da Espanha, Juan Carlos, fez com o bravateiro Chávez, perguntando-lhe: “Por qué no te callas?” Não bastasse a grosseria, Lula nada fez para assegurar aos colombianos de que poderia ser um intermediário isento entre Bogotá e Caracas.

Ele parece ecoar a batatada do chanceler venezuelano Nicolas Maduro, que falou de “um plano de paz sul-americano” para resolver “a questão de fundo” da Colômbia com as Farc. Ao que o seu colega colombiano Jaime Bermudez contrapôs ironicamente a ideia de um hipotético “plano de democracia para a Venezuela”. Pensando bem, talvez fosse mesmo melhor Lula se ocupar do Irã em vez de fazer papelão perante os vizinhos do Brasil.”

RELACIONADOS

Deixe um comentário