Para Marcos Troyjo, “reglobalização” tira emergentes da zona de conforto

A crise econômica de 2008, desencadeada pela quebra do banco norte-americano Lehman Brothers, promoveu uma mudança no eixo da geoeconomia e o surgimento dos “mercados emergentes”. Brasil, Rússia, Índia e China (países integrantes dos BRICS, composto ainda pela África do Sul) iniciaram um acelerado processo de globalização, e assumiram um papel de destaque no cenário mundial.

Contudo, Marcos Troyjo, diretor do BRICLab na Universidade Columbia e especialista do Instituto Millenium, afirma que, após uma “ingênua projeção”, essa situação vem mudando. “Alterou-se o panorama dos fluxos internacionais de liquidez. Isso tem levado a um novo e apressado prognóstico. Estaríamos de regresso à engessada hierarquia Norte-Sul”, explica.

Segundo o especialista do Instituto Millenium, o futuro das economias emergentes depende da capacidade de se moldarem competitivamente à “reglobalização” em curso. O diplomata afirma que esse novo processo de globalização não ambicionará a comunhão de visões de mundo costurada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Organização Mundial do Comércio (OMC).

Troyjo acredita que os esforços de integração das nações serão concentrados no comércio, nos investimentos e no fortalecimento de redes produtivas, processo esse que deve ser mais seletivo, na opinião do economista.

“Os acordos deverão envolver, por um lado, os Estados Unidos e a Europa e, por outro, os EUA e países banhados pelo Pacífico nas Américas, Ásia e Oceania”, observa, acrescentando que outro fator decisivo para a reorganização dos fluxos globais será a conversão da China em uma economia de consumo e de elevado valor agregado.

Para Troyjo, países emergentes ou desenvolvidos que quiserem prosperar deverão ser capazes de redirecionar os seus excedentes para o incremento da inovação. “Esses países, ainda que pertençam originalmente a um ou a outro polo da antiga geografia Norte-Sul, serão os verdadeiros mercados reemergentes”, conclui.

“Millenium nas redações”

Durante a 15ª edição do projeto do Imil que aproxima especialistas de sua rede e jornalistas de todo o país, Troyjo apresentará a palestra “A chegada da reglobalização” e participará de bate-papo sobre o tema com os participantes. O próximo “Millenium nas redações” será realizado na revista “Exame” no dia 26 de setembro, às 15h.

Para saber mais sobre o “Millenium nas redações”, acesse a página do projeto.

RELACIONADOS

Deixe um comentário