Pesquisa mostra queda da confiança na Justiça.

Diveros jornais comentam, hoje, a pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) sobre a confiança que os brasileiros têm na Justiça. Infelizmente, o resultado da pesquisa demonstra, claramente, que o Estado de Direito no Brasil é muito fraco. Numa escala de zero a 10, o Índice de Confiança na Justiça ficou em 5,6. Comparando à taxa anterior, aferida no segundo trimestre do ano, houve uma queda de 5%.

As capitais que apresentaram maior índice de confiança na Justiça foram Porto Alegre, Belo Horizonte, Brasília e Rio, com nota de 5,7. Salvador e São Paulo deram como nota à Justiça 5,6 e Recife, com a pior avaliação, 5,4.

Segundo o estudo, 89% dos brasileiros procurariam a Justiça para solucionar conflitos relacionados ao direito do consumidor e 82,2% recorreriam em casos envolvendo o poder público.

Para mudar este quadro, precisamos fortalecer o Estado de Direito, fazendo com que as leis existentes sejam cumpridas e que não exista qualquer diferenciação dos cidadãos perante a lei. A lei deve ser aplicada à todos, sem distinção.

Confiança no Judiciário

# No Brasil

83,2% – dos brasileiros dizem que os custos para acessar o Judiciário são muito altos

81,7% – disseram que o maior problema da Justiça brasileira é a desonestidade e a parcialidade

# No Distrito Federal

92,9% – dos brasilienses acham a Justiça do DF muito lenta

83% – reclamam dos custos processuais

58% – acham o acesso aos tribunais muito complicado

67,9% – acham a Justiça do DF nada confiável

32,7% – dos brasilienses disseram que não procurariam a Justiça para resolver problemas com vizinhos

8,8% – dos brasilienses não procurariam a Justiça do Trabalho para resolver pendengas relacionadas ao emprego

Fonte: Fundação Getúlio Vargas

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. A pesquisa aponta uma realidade, que acredito já houve leve melhora, após a criação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que tem contribuido para diminuir a inercia do aparelho judicial, mas ainda longe da melhoria do acesso à justiça.

    Jorge Farias
    advogado, Belém/PA/Amazonia