Brasil perde oito posições em ranking de competitividade

País está na 56ª posição, contra 48ª no levantamento anterior, e foi ultrapassado por países como México, Costa Rica, África do Sul e até Portugal

O Brasil perdeu oito posições no ranking global de competitividade, segundo o Relatório Global de Competitividade do Fórum Econômico Mundial. Na edição de 2013/2014 do ranking, o país aparece na 56ª posição entre 148 nações, contra a 48ª posição em 2012. Na prática, o país voltou para a colocação que exibia em 2009 e foi ultrapassado por países como México (55º agora, contra 53º em 2012), Costa Rica (que subiu da 57ª para a 54ª posição), África do Sul (que subiu da 53ª para a 52ª posição)e Portugal, que apesar da crise europeia caiu menos que o Brasil, da 49ª para a 51ª posição.

De acordo com Carlos Arruda, professor da Fundação Dom Cabral que coordena a pesquisa no Brasil, feita em parceria com o Movimento Brasil Competitivo (MBC), o resultado brasileiro é decorrente da deterioração das condições macroeconômicas — com aumento da inflação, baixo crescimento, alta do endividamento bruto e déficit externo —, falta de avanços significativos nos investimentos em infraestrutura e na simplificação dos marcos regulatórios e tributários. De acordo com ele, o desempenho do país não está condizente com o esperado por uma grande nação emergente:

— O Brasil ainda tem potencial de um Brics (grupo de nações emergentes formado por Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul), mas se comporta muito mais como uma nação do Mercosul — afirmou o professor, lembrando que todos os demais parceiros do bloco comercial do continente caíram no ranking neste ano: Uruguai (de 83º para 86º), Argentina (de 94º para 104º), Paraguai (de 116º para 119º) e Venezuela (de 126º para 134º, entre os 20 últimos da lista global).

O professor acredita que a situação do Brasil não é animadora. Ele acredita que a tendência é o país continuar perdendo posições no ranking global no próximo ano, ainda mais porque, lembra, 2014 é um ano eleitoral, o que dificulta reformas estruturais. Para Arruda, a chance do Brasil melhorar no levantamento – feito com base em dados estatísticos, expectativas e entrevistas com empresários – é manter o forte crescimento apresentado no segundo trimestre do ano (1,5% sobre os primeiros três meses do ano), algo mais difícil de ocorrer, e deslanchar investimentos em infraestrutura e petróleo, algo que ainda está em promessas.

Dos cinco países dos BRICs, a China (29ª) continua liderando o grupo, seguida pela África do Sul (53ª), Brasil (56ª), Índia (60ª) e Rússia (64ª). Nos BRICs, somente a Rússia melhorou sua posição no ranking, subindo três colocações. O Brasil teve a queda mais brusca, enquanto África do Sul e Índia caíram uma posição e a China manteve a mesma colocação de 2012.
— Em uma comparação com as demais economias incluídas nos chamados BRICS, o Brasil apresenta o maior declínio nos fatores macroeconômicos. A China continua muito bem na 10ª posição, e a Rússia vem acumulando ganhos consecutivos chegando à 19ª posição; apenas Índia (110º) e África do Sul (95º) seguem em trajetória de queda similar ao Brasil — avaliou o professor.

Pelo quinto ano consecutivo, a Suíça lidera a lista das economias mais competitivas, seguida por Cingapura, Finlândia, Alemanha e Estados Unidos. Todos os 10 países que estão liderando o ranking deste ano já estavam entre os “top ten” de 2012, apenas havendo algumas trocas de posições, como os estados Unidos pulando da sétima para a quinta posição e a Alemanha saltando da sexta para a quarta posição. Entre os países que mais subiram no ranking está a Indonésia, que passou da 50ª posição para a 38ª, e o Equador, que passou da 86ª posição em 2012 para a 71ª posição.

Na América Latina, os resultados mostram uma estagnação geral no desempenho da competitividade. O Chile (34ª) continua na liderança do ranking regional à frente do Panamá (40ª), Costa Rica (54ª) e México (55ª) – esses países permaneceram relativamente estáveis em relação à edição de 2012. A Argentina foi o país do hemisfério sul que teve a maior queda, 10 posições, ocupando a 104ª colocação; a Venezuela caiu para a posição 134. Segundo o professor, estes dois países apresentam um quadro crítico em seus fatores institucionais, macroeconômicos e, no caso da Argentina, uma queda significativa nas condições do país para gerar inovação e sustentar um ambiente de negócios sofisticado.

Fonte: O Globo

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. Francisco de Assis Torres de Oliveira

    As autoridades brasileiras que com um parasitismo estatal dificultam a vida de pessoas que desejam produzir riquezas para o país são as grandes responsáveis por essa queda de competitividade.Ora,num país onde para se legalizar uma empresa demora exorbitantes 119 dias,a consequência mais que óbvia é esse retrocesso em termos de competitividade.
    Pessoas que”faz a hora,não espera acontecer”deveriam receber pleno incentivo num país que precisa gerar riquezas e não miséria para distribuir a um povo sofrido,honrado e trabalhador como somos nós brasileiros.
    Lamentávelmente compreensível onde autoridades se portam como uma “casta” de privilegiados e por muitas vezes tratam o bem público como algo privado.