No “Financial Times”, Marcos Troyjo, especialista do Imil, defende atualização do comércio exterior brasileiro

O britânico “Financial Times”, maior jornal de economia e negócios do mundo, traz em sua sessão Beyondbrics artigo de Marcos Troyjo, professor da Universidade Columbia e especialista do Instituto Millenium. Intitulado “Time to restructure Brazil´s foreign trade”, o texto argumenta em favor da modernização das estruturas de comércio exterior do Brasil.

Troyjo afirma que a crise global pode fazer com que as estratégias de desenvolvimento de Brasil e China percorram trajetórias diagonalmente opostas. Os chineses devem abandonar um pouco a ênfase em exportações como motor do crescimento. Já o Brasil, com o enfraquecimento do real, pode assumir um perfil mais exportador.

Para Troyjo, este é um desafio que vai além da política externa e da diplomacia tradicional. O professor de Columbia assinala em seu artigo no “Financial Times” que o comércio exterior representa apenas uns 17% do PIB brasileiro. Para China e Coreia do Sul, são mais de 50%. Afirma também que “commodities e bens de baixo valor agregado, que têm caracterizado a pauta brasileira de exportações, não demandam grandes esforços de comercialização – são ‘mais comprados do que vendidos’”, arremata.

Troyjo, que dirige o BRICLab na Universidade Columbia, conclui que “iniciativas voltadas a um projeto de prosperidade são mais importantes do que a incerta entrada do Brasil nos clubes mais exclusivos de um sistema de organizações multilaterais claramente defasadas”.

A íntegra do artigo de Marcos Troyjo, especialista do Imil, no “Financial Times” pode ser acessada aqui.

RELACIONADOS

Deixe um comentário