Polêmica em torno dos 60 dias
de férias para juízes

Para associação de juízes, “desgaste” justifica férias de 60 dias

O “desgaste à mente” causado pela profissão justifica a manutenção de 60 dias de férias a juízes, afirma o vice-presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Fernando da Costa Tourinho Neto. “O juiz não trabalha somente no fórum”, disse.

Tourinho alegou que outras profissões também se encaixariam nessa análise e discorda que haja privilégio. “A mente [do juíz] não descansa. Mesmo à noite, [ele] fica procurando uma solução para o problema. Isso causa um desgaste grande. É necessária que haja período de férias mais longo”.

Na quarta-feira, 27, a Ajufe divulgou nota em resposta a declarações recentes do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Cezar Peluso, que defendeu férias de um mês à categoria. No texto, a associação registrou que os magistrados têm jornadas superiores a 40 horas semanais, além de plantões de fins de semana. “As férias de 60 dias são, portanto, uma justa compensação por não terem direito à jornada fixa semanal de trabalho nem ao recebimento de horas extras”, diz a nota.

Atualmente, os juízes federais recebem entre R$ 21 mil e R$ 24 mil.

De acordo com matéria publicada no “Globo Online”, na última quinta-feira, a pressão sobre o Judiciário para reduzir os privilégios é sinal de que a sociedade não aceita mais a mentalidade de que o magistrado pertence a uma “casta” diferenciada. A a avaliação foi feita pelo professor de História do Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV) de São Paulo José Reinaldo de Lima Lopes. “Acho que está em curso uma mudança de perspectiva e de visão social do papel do Judiciário. Está cada vez mais forte a mentalidade de que o juiz é um prestador de serviço como outro funcionário”, afirmou.

Fonte: O Globo e O Estado de S. Paulo.

RELACIONADOS

Deixe um comentário

3 comments

  1. Mercia Maria Almeida Neves

    É…são,se auto intitulam assim devido a “casta” que precedem.Comungar dessa idéia é o mesmo que humilhar seu semelhante, bem quê por muitas vezes, sua visão “casta”o cegam, logo, o outro não é semelhante.
    Parem todos! o país já está paralisado,a “justiça”é uma vergonha,é defesa sem argumentos; O profissional em geral, especialistas,doutores,estão à serviço da sociedade,se atualizando constantemente,uma vez que qualifica-se para determinda ação,de antemão,sabe suas atribuições.
    Isso é…

  2. J. M. Monteiro

    A Constituição Federal diz que todos são iguais perante a lei. Porém na prática uns são “mais” iguais que outros. Juízes com 60 dias de férias e o povão-contribuinte com 30.,
    É legal mas totalmente imoral. Que tal a CNBB, a OAB, a ABI, as organizações de direitos humanos e demais entidadees representativas da sociedade instarem a população a debater o assunto? Afinal quem paga o salário dos magistrados é o povão-contribuinte!!

  3. J. M. Monteiro

    Igualmente acho que se a carga de trabalho é tão pesada(!!??) assim por que não largar o cargo e abrir um escritório de advocacia ou dar aulas em universidades ou publicar livros da área? Candidatos não faltariam para ocupar as possíveis vacâncias mesmo que as férias fôssem de “apenas” 30 dias……………