Reservatórios só garantem energia por um mês

cantareira

Para Luiz Pinguelli Rosa, diretor da Coppe/UFRJ, racionamento será inevitável

Luiz Pinguelli Rosa, diretor da Coppe/UFRJ, disse nesta segunda-feira que os reservatórios das hidrelétricas do Sudeste só têm água armazenada suficiente para um mês de geração de energia. Ele afirmou, após o seminário “A crise hídrica e a geração de energia elétrica”, promovido pela própria Coppe, que a situação é pior que antes do racionamento de 2001.

— Acredito que não teremos como escapar do racionamento — disse ele, que se encontrará com o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, no dia 9.

Pinguelli disse ainda que as medidas de racionalização do consumo, que o governo vai anunciar neste mês, vieram tarde e ainda são modestas. Ele afirma que o governo precisava criar mecanismos para que os desperdícios fossem evitados, mas lembrou que é difícil atingir as famílias de alta renda. Ele acredita que a política de bandeiras tarifárias, que pode elevar a conta de luz em momento de muito uso de termelétricas, como agora, é um caminho a ser visto. E também defendeu que se crie um limite para a temperatura de aparelhos de ar-condicionado: quanto mais frio o ambiente, mais se gasta com energia.

— O Japão tem um limite destes. O governo poderia fiscalizar em comércios, indústria e instituições públicas — disse ele, após o evento que debateu a crise do setor.

Roberto D’Araujo, presidente do Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Elétrico (Ilumina) afirma que as medidas de redução de consumo que o governo deve propor vieram tarde. Mas ele acredita que o comércio pode contribuir muito com a racionalização de energia:

— A maior parte das lojas de shopping usa lâmpadas dicroicas, que consomem muito e ainda esquentam o ambiente. Se a loja utilizar lâmpadas de LED, por exemplo, o que se gasta atualmente com uma dicroica ilumina toda a loja, mas o LED é caro, o governo tem que, ao menos, tirar o imposto destas lâmpadas.

Fonte: O Globo

RELACIONADOS

Deixe um comentário