Sexta-feira, 9 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Sem verbas federais, UFF mergulha na crise

Em greve, universidade sofre ainda com obras paradas, infraestrutura precária e cortes de energia elétrica

O corte de energia que deixou parte dos prédios da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, às escuras na última quarta-feira é mais um capítulo de uma crise financeira agravada no começo do ano, com a redução dos repasses federais. Em greve desde maio, a UFF acumula só com a Ampla uma dívida de cerca de R$ 9 milhões. Ontem, foi feito um pagamento de R$ 580 mil, mas a concessionária já informou à universidade que poderá fazer novos cortes. Sem verbas, obras de expansão que vinham sendo executadas estão paradas. Nos corredores, funcionários dizem que faltam laboratórios, bibliotecas e até professores. No campus do Gragoatá, o bandejão fechou em maio, por falta de pagamento a fornecedores.

Com cerca de 50 mil alunos, a instituição tem unidades espalhadas em Niterói e outras sete cidades do estado — Rio das Ostras, Campos, Angra dos Reis, Macaé, Nova Friburgo, Santo Antônio de Pádua e Volta Redonda. Professores dizem que a falta de dinheiro vem causando sérios problemas à qualidade do ensino. Em Campos, o prédio da universidade deveria ter sido entregue em 2014, mas as obras foram paralisadas. Antes da greve, os alunos estavam tendo aulas em contêineres. O professor de história Paulo Terra classifica a situação como precária:

— São cerca de dois mil alunos no campus. Não há condições de alojamento, nem bandejão. Lá, a adesão à greve chegou a 100%.

Às escuras e sem alunos

A interrupção do fornecimento de energia atingiu duas unidades do DataUFF, o Diretório Central de Estudantes (DCE), o Arquivo Central, o Cinema UFF e a Casa do Estudante. Na manhã dessa quinta-feira, o abastecimento já tinha voltado ao normal em vários prédios, inclusive no da Reitoria, em Icaraí. Mas, nos campus em Niterói, o movimento é pequeno. No Gragoatá, há poucos professores trabalhando.

Os impactos da greve são sentidos mesmo fora dos muros da UFF: a estimativa é que cerca de 40 mil pessoas deixaram de circular por Niterói. Em São Domingos, onde fica o campus do Gragoatá, o comércio sofre as consequências da paralisação, já que a maioria dos frequentadores de bares e restaurantes da região é composta por estudantes e funcionários da UFF.

A professora Kênia Miranda, da Faculdade de Educação, também critica a situação:

— Se a greve fosse suspensa hoje, não teríamos como funcionar. Os terceirizados trabalham, mas o material é escasso e os salários deles estão atrasados.

Segundo ela, os cortes prejudicam a defesa de teses de doutorado. Os alunos precisam ser avaliados por professores externos, mas falta verba para pagamento.

— A universidade não funciona apenas com o professor falando em sala de aula. É preciso que haja infraestrutura para viabilizar o trabalho — diz Luciana Collier, do Colégio Universitário Geraldo Reis (Coluni), da UFF.

Até junho, a universidade recebeu R$ 42,5 milhões em recursos federais, menos de um terço do orçamento previsto para este ano (R$ 144,9 milhões). Mas só os gastos com custeio para 2015 foram calculados em R$ 148 milhões. Os números fazem parte de uma carta da UFF à comunidade acadêmica. No texto, a administração diz também que os problemas financeiros se estendem às construções e à compra de equipamentos.

Enquanto a dotação orçamentária do Ministério da Educação para essas despesas é de R$ 54 milhões, todas as obras estão orçadas em cerca de R$ 160 milhões. Ao valor, somam-se R$ 22 milhões em dívidas acumuladas em 2014 com as construtoras.

Enquanto as verbas encolheram, nos últimos oito anos o número de alunos dobrou — de 25 mil para 50 mil. Em nota, a reitoria informou que, para enfrentar a crise, está conversando com os credores “com transparência e serenidade, mostrando a importância da universidade para o MEC e fazendo reuniões com a equipe, no sentido de melhorar as suas práticas administrativas”.

O MEC informou que as instituições federais têm autonomia financeira e administrativa e que não pode comentar o não pagamento de contas. Por nota, afirmou que o governo tem feito os repasses normalmente. O corte anunciado para as universidades federais, no entanto, chega a R$ 1,9 bilhão.

Fonte: O Globo

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.