O showroom do otimismo – leia no editorial do “Estadão”

A fórmula é mais velha do que o Velho do Restelo. Quando as coisas vão mal e não há intenção efetiva, muito menos competência para endireitá-las, resta o surrado truque de fazer uma bondade para jogar areia nos olhos dos descontentes e fazer uma maldade para jogar nas costas alheias a culpa pelo descontentamento. Esses foram os movimentos que o preparador político da presidente Dilma Rousseff, o marqueteiro João Santana – o 40.º ministro do atual governo, como é chamado por quem sabe de sua importância junto à titular do Planalto -, a orientou a seguir para reerguer a popularidade abalada.

Nisso, ela foi rápida. Três dias depois da publicação da pesquisa do Datafolha segundo a qual o nível de aprovação do governo caiu inéditos 8 pontos porcentuais e o favoritismo de Dilma para 2014 ficou 7 pontos menor, a presidente já estava a postos para lançar o eleitoreiro programa Minha Casa Melhor. Trata-se da linha de crédito oferecida aos beneficiários do Minha Casa, Minha Vida, à razão de R$ 5 mil por família, para a compra de móveis e eletrodomésticos. Os juros foram fixados em 5% ao ano. O prazo para a quitação do empréstimo será de 48 meses. Para atender a cerca de 3,4 milhões de famílias, o Tesouro deverá desembolsar R$ 18,7 bilhões, com impacto óbvio sobre as contas públicas.

Montado em palácio o showroom do otimismo, conforme o roteiro traçado pelo marqueteiro da casa, Dilma deu especial atenção às mulheres – a parcela da população que se revelou, como seria de esperar, a mais insatisfeita com o governo por causa da carestia com que se defronta nas gôndolas do supermercado e nas barracas da feira. Caprichando no coloquial, a presidente celebrou a substituição do tanquinho, “que usa a energia braçal das mulheres”, pela “máquina de lavar roupa automática”. A troca, vai sem dizer, melhora a qualidade de vida das donas de casa. Mais difícil é explicar como isso pode poupá-las do desgastante encontro cotidiano com os preços remarcados.

A experiência própria é que lhes dirá – e a todos os brasileiros – de que valem as enfáticas juras da presidente sobre os rumos do custo de vida. “Não há a menor hipótese de que o meu governo não tenha uma política de controle e combate à inflação”, entoou. E caso alguém não tenha prestado atenção, repetiu: “Não há a menor hipótese”. Só que o ponto não é bem esse. A realidade – e aí já não se trata de hipóteses – é que aquilo que ela entende por política anti-inflacionária até agora tem sido incapaz de acuar o dragão. O Banco Central aumentou os juros, mas o descompasso entre o que deveria sair e o muito mais que sai dos cofres federais é um breve contra a estabilização dos preços.

Mas, evidentemente, Dilma estava ali para levantar o astral dos pessimistas com a evolução de seus rendimentos e as perspectivas do mercado de trabalho – uma coisa e outra captadas pelas recentes sondagens de opinião – e não para falar honestamente dos problemas e temores do povo.

Nessa hora é que entram em cena, no papel de inimigos do País, os críticos do governo. São os que ficam “azarando”, como o Velho do Restelo dos Lusíadas, de Camões, que ao ver zarparem os navios de Vasco da Gama, em busca do caminho das Índias, meneava a cabeça em desaprovação à “vã cobiça”. Ou, na paráfrase da presidente, profetizava que “não vai dar certo”. À parte a invocação do Velho do Restelo, ela nem sequer foi original. Lula já acusava os adversários de lançar “urucubacas” contra o Brasil.

O que desanima é constatar que esse palavrório desafiador (“O Velho do Restelo não pode, não deve e, eu asseguro para vocês, não terá a última palavra no Brasil.”) e a estudada estridência do seu enunciado parecem tudo o que Dilma tem a dizer seja aos eleitores que dela se distanciaram, seja aos que não se deixam levar pela retórica poliana do Planalto. Entre esses se inclui pelo menos um dos interlocutores habituais da presidente. Ela não há de achar, por exemplo, que, aos 85 anos, o economista Delfim Netto seja um Velho do Restelo quando destoa publicamente da linha oficial.

Mas que importa? Bem que ela avisou que, “na eleição, podemos fazer o diabo”. E, para Dilma, a eleição está em pleno curso.

Fonte: O Estado de S.Paulo, 14/06/2013

RELACIONADOS

Deixe um comentário