Terça-feira, 6 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Startup brasileira ganha prêmio global

A startup brasileira PAW, que desenvolve tecnologias para facilitar a locomoção de pessoas com deficiência visual, foi a grande vencedora do World Summit Youth Award 2015. O evento reconhece empreendedores com menos de 30 anos que estão criando iniciativas digitais para promover benefícios à sociedade. O anúncio do vencedor ocorreu na quarta-feira (17/6) durante cerimônia na Secretaria do Estado dos Direitos da Pessoa Com Deficiência, na Barra Funda, em São Paulo.

O WSYA avalia ideias de negócios que solucionem problemas em seis grandes causas: combate à pobreza, fome e doenças; educação; empoderamento das mulheres; valorização da cultura local; meio ambiente e sustentabilidade; e busca pela verdade.

A PAW foi fundada pela estudante de psicologia Emily Schuler, de 24 anos, e o estudante de ciências da computação Marco Antônio Penha, de 27 anos. “A nossa startup começa agora”, disse Penha após a premiação.

Durante a cerimônia, o professor Peter Bruck, chairman do Word Summit Awards, chamou antigos vencedores do prêmio para falarem sobre os resultados que alcançaram. Um deles é Carlos Wanderlan, fundador e CEO da startup Hand Talk, que desenvolve um aplicativo de tradução simultânea para a linguagem de sinais. A plataforma foi eleita o melhor app pela ONU em 2013. “Muitas oportunidades apareceram depois disso. Foi um evento brilhante. Mantivemos muitas das relações que criamos por causa do prêmio, inclusive comercialmente”, disse o empreendedor. “Nós tínhamos apenas seis meses quando participamos. Imagine como teria sido difícil chegar aonde estamos agora, sem essa chancela?”.

A PAW foi escolhida entre outros 16 projetos e era a única representante nacional na disputa. Os finalistas, de diversas partes do mundo, vieram à São Paulo apresentar suas ideias para um grupo de 12 jurados, entre investidores, fundadores de empresas, representantes do governo e de diversos setores da economia. Os pitchs ocorreram na última terça-feira (16/6) e os empreendedores foram avaliados por sua apresentação, projeto e por seu engajamento diante de causa que defendem.

Esta é a sétima edição do WSYA – e a primeira a ocorrer no Brasil. No país, o prêmio aconteceu em parceria com a ProjectHub, uma rede para empreendedores de economia criativa. Durante a cerimônia de premiação, Lucas Foster, fundador da Project Hub, leu um manifesto escrito por ele para o evento. “Nós estamos vivendo uma era especial. É uma revolução digital marcada não só por problemas, mas por oportunidades. E essas oportunidades podem nos levar a um futuro melhor”, disse. “O papel dos jovens nessa nova era é essencial. Os jovens não aceitam a ideia de que ‘sempre foi assim’. Eles fazem perguntas e propõem mudanças. Eles querem acreditar no futuro.”

O WSYA é organizado pelo World Summit Award, uma iniciativa criada durante a Cúpula Mundial em 2003, em Genebra, com o objetivo de usar os benefícios da tecnologia da informação para tocar a vida de mais gente. Promovido pelos estados membros da ONU (Organização das Nações Unidas) e da Unesco (órgão da ONU para a Educação, Ciência e Cultura), o evento conta também com o apoio de diversas organizações internacionais, agências governamentais, associações de jovens, investidores e membros do setor privado.

Fonte: Pequenas Empresas e Grandes Negócios.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.