Sábado, 3 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Startup descobre um novo nicho de mercado ao ouvir clientes

Steve Jobs, fundador da Apple, costumava dizer que produtos “excelentes” combinavam dois pontos de vista: o da tecnologia e o dos clientes. “Você precisa dos dois”, aconselhava. A máxima de Jobs expressa um requisito básico para startups: antes de apostar todas as fichas no desenvolvimento de uma tecnologia inovadora, é preciso medir o ânimo dos potenciais consumidores para então ir em frente, desistir ou redirecionar o plano de negócio.

Foi consultando o mercado que a Scipopulis, startup focada em cidades inteligentes e mobilidade urbana, percebeu o potencial de sua tecnologia. Em 2015, com o apoio do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) da Fapesp, a Scipopulis criou um aplicativo para smartphones que oferece aos usuários de transportes coletivos em São Paulo informações em tempo real sobre a localização da frota de ônibus.

A solução, apesar de inovadora, chegou ao mercado junto com outros concorrentes que garimpam informações no mesmo banco de dados mantido pela Prefeitura Municipal de São Paulo com a posição, minuto a minuto, de cada um dos mais de 15 mil ônibus que circulam pela cidade. E com um agravante: o aplicativo, até agora, está disponível apenas para o sistema Android; a versão para o iOS ainda está em desenvolvimento.

Em 2016, a Scipopulis foi uma das 21 empresas selecionadas para participar da primeira edição do PIPE High-Tech Entrepreneurial Training, um programa desenvolvido pela Fundação em parceria com a George Washington University para qualificação de empreendedores apoiados pelo PIPE Fase 1 – de validação do produto – para aumentar as suas chances de sucesso na Fase 2 – de desenvolvimento do produto. O programa é a versão brasileira do I-Corps conduzido pela National Science Foundation (NSF) e concebido por Steve Blank, a principal referência mundial nas abordagens Lean Startup e Customer Development.

Ao longo de sete semanas, Márcio Calixto Cabral, diretor da Scipopulis, e um de seus três sócios, apoiados por um mentor escolhido pela Fapesp entre executivos experientes, participaram de uma maratona de treinamento que envolveu, entre outras atividades, 76 entrevistas com potenciais usuários da tecnologia desenvolvida pela empresa. “Percebemos que existe um outro mercado para nosso produto que desconhecíamos por ficarmos fechados dentro do escritório”, reconhece Cabral.

A Scipopulis constatou que, utilizando análise de big data, era possível extrair da mesma fonte outras informações, como, por exemplo, a velocidade do trânsito nas ruas de São Paulo na perspectiva do ônibus. “Descobrimos que essa é uma informação relevante para a política pública”, afirma Cabral.

Direcionar a Scipopulis para atender também esse outro mercado não foi complicado. “Tínhamos um painel para validação de dados e o custo de introduzir a nova funcionalidade não foi tão grande. Foi só adaptar o painel e mostrar ao gestor”, ele diz.

Nesse mercado, a Scipopulis chegou primeiro: o sistema já está sendo utilizado pelo Centro de Engenharia de Tráfego (CET), em São Paulo, e está em teste em duas outras prefeituras, uma delas fora do Brasil. “Os quatro sócios têm que se dedicar integralmente à empresa. Estamos no azul, temos oxigênio para sobrevivência e cada vez mais clientes.”

A exemplo da Scipopulis, ao final do programa, todas as 21 empresas participantes do PIPE High-Tech Entrepreneurial Training fizeram mudanças no modelo de negócio inicial. “Em pelo menos metade dos casos as mudanças foram significativas”, afirma Fábio Kon, membro da coordenação adjunta de Pesquisa para Inovação da Fapesp.

A segunda edição do treinamento PIPE High-Tech Entrepreneurial Training será realizada entre os meses de setembro e novembro de 2016. “O programa de treinamento que a Fapesp oferece cria condições para que as empresas apoiadas pelo PIPE reavaliem criticamente seus planos de ação e negócios e identifiquem como redirecioná-los para aumentar as chances de sucesso”, sublinha Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fapesp.

Informações detalhadas sobre o programa já foram enviadas para os responsáveis pelos projetos PIPE Fase 1 em andamento; Outras informações sobre o PIPE High-Tech Entrepreneurial Training podem ser obtidas pelo e-mail treinamento-pipe@fapesp.br.

Fonte: Agência Fapesp.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.