Órgãos públicos federais tem poucas auditorias

Quase metade dos órgãos públicos federais não tem auditorias internas ou tem estruturas insuficientes, em fase inicial ou intermediária, segundo um levantamento inédito de governança aprovado nesta quarta-feira pelo plenário do Tribunal de Contas da União (TCU). O trabalho foi relatado pelo ministro Augusto Nardes e envolveu os tribunais de contas nos estados e municípios.

Os índices envolvem aspectos de controle interno, liderança e estratégia também nos governos estaduais e municipais. O TCU detectou que 45% dos órgãos federais não têm uma função “aprimorada” de auditoria interna – em 6%, esse tipo de controle ainda nem chegou a ser implantado. A situação é ainda mais grave para outra variável analisada pelo tribunal: gestão de riscos. Neste caso, apenas 7% se encontram em estágio aprimorado.

Quando se leva em conta todos órgãos públicos analisados – federais, estaduais e municipais -, 54% de todas as organizações estão em fase inicial de implantação de auditoria interna. Além disso, conforme o levantamento do TCU, 48% de todas as organizações não têm definidas diretrizes para analisar situações de conflito de interesse. “Esses resultados refletem a fragilidade da função da auditoria interna nessas organizações, pois aumenta o risco de sua manipulação por interesses particulares”, cita o relatório aprovado.

O levantamento coletou informações de 380 órgãos da administração pública federal, 893 organizações públicas estaduais e 6.497 organizações municipais. A partir disso, foi calculado o chamado índice geral de governança (IGG), que levou em conta três mecanismos de governança:. A mensuração dessas práticas levou a um índice, a um percentual de governança.

O IGG para órgãos públicos federais ficou em 54%. Já o melhor IGG nos estados é na Região Sul, com 55%, seguida da Região Sudeste, com 52%. O pior foi verificado no Norte, com 39%. Os municípios do Centro-Oeste têm o melhor IGG, com 47%, seguidos do Sul, com 45%. Cidades do Norte e Sudeste têm um IGG de 40% cada.

Fonte: Extra.

RELACIONADOS

Deixe um comentário