Sábado, 3 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Visa abrirá centro de inovação no Brasil

A Visa irá abrir até o início de outubro um centro da inovação no Brasil, nos mesmos moldes e com estrutura semelhante ao que possui em sua sede, em São Francisco, Califórnia (EUA). O Visa Innovation Center será estabelecido em São Paulo e é visto dentro da empresa como uma “mudança radical” na sua atuação no mercado de meios eletrônicos de pagamento. Isso porque, de acordo com Percival Jatobá, vice-presidente de Produtos da Visa Brasil, a ideia do centro de inovação é trabalhar em parceria com clientes (bancos e parceiros) e desenvolvedores. “É uma mudança radical na forma como a Visa vem trabalhando no mundo. A gente sai de um ambiente centralizado de desenvolvimento e passamos a trabalhar num totalmente colaboracionista”, afirma.

A mudança no processo de inovação começou a ganhar forma em julho de 2014, quando a Visa inaugurou o Visa Innovation Center em Foster City, São Francisco. A empresa convidou clientes para desenvolver produtos. Entre suas “parceiras mais famosas” está a Apple. No centro de inovação, foi desenvolvido o sistema de certificação e segurança do Apple Pay, sistema de pagamentos lançado no ano passado.

Agora, a Visa quer levar esses centros para os outros países em que atua e formar, conforme Jatobá explica, uma “rede global de inovação e parceiros na área de pagamentos”. Nesse caminho, o Brasil foi escolhido para ganhar o 2º Visa Innovation Center. Pelo menos mais dois países devem também receber um centro nos próximos meses.  “O Brasil foi escolhido antes, porque definitivamente aqui existe um potencial de crescimento enorme e porque, como os americanos dizem, os brasileiros são early adopters [adotam e descobrem rápido novas tecnologias]”, afirma Jatobá.

O potencial do mercado brasileiro é visto também pela Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços). “O Brasil é o segundo mercado para as bandeiras de cartões e é um dos que mais desenvolveu tecnologia de chips e avançou em ferramentas para dispositivos móveis. É referência mundial”, afirma Raul Moreira, vice-presidente da associação.

Segundo Moreira, a oportunidade que as empresas veem no mercado brasileiro é fruto de um paradoxo. Ao mesmo tempo em que a tecnologia de cartões e para pagamentos eletrônicos desenvolve-se, o uso de dinheiro em espécie continua crescendo. “Em termos de tamanho,  Brasil está entre os cinco países que mais movimenta papel moeda no mundo”. Dados levantados pela Abecs mostram que a soma de saques realizados em terminais de autoatendimento nos bancos foi de R$ 1 trilhão em 2014. É o mesmo valor que o mercado de cartões movimentou.

Visa Innovation Center

O Centro de Inovação será instalado até o início de outubro em São Paulo, junto ao novo escritório da Visa em São Paulo. Atualmente, a empresa prepara a mudança de endereço. Hoje, ela fica no Itaim Bibi. O centro terá três espaços principais. Um deles é o Briefing Center, onde a empresa apresentará para os clientes o que tem feito em termos de inovação em outros países do mundo.

O segundo é um showroom que irá expor produtos novos para e-commerce, ferramentas de seguranças e produtos contactless. Já o terceiro é a área onde a empresa, de fato, trabalhará na inovação: haverá um espaço para prototipagem, no qual novos produtos serão pensados e concebidos ao lado de clientes, engenheiros e equipes técnicas internas.

Segundo Jatobá, o novo modelo permitirá, além de estreitar relações com parceiros, também a produção de serviços customizados ao mercado brasileiro. Até agora, todos os produtos que a Visa lançou no Brasil foram adaptados do que foi concebido nos Estados Unidos. Entre os exemplos, estão o VisaCargo, VisaAgro e Visa BNDES.  É de se esperar que a empresa já trabalhe pensando em produtos voltados aos Jogos Olímpicos Rio 2016, evento que é patrocinadora oficial.

Em relação a desenvolvimento, a empresa possui dois focos com o Visa Innovation Center, segundo Jatobá. O primeiro é criar serviços voltados para os clientes de maior patrimônio (chamados de ‘upscale’). O segundo é conquistar o público jovem. A Visa já afirmou antes que sua estratégia mundial é conquistar a chamada geração millenium o quanto antes. Recentemente, lançou no Brasil um cartão-mesada, voltado ao público de 11 a 15 anos.

Entre as novidades para o mercado brasileiro, a Visa também afirma que irá lançar o CheckOut, um serviço que busca facilitar e diminuir as etapas de uma compra realizadas pela internet.

Fonte: Época.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.