Tudo como dantes – "Ficha Corrida" – 26/04/10

Neste fim de semana o site do Azenha, Viomundo, reproduziu, a propósito das manipulações de pesquisas pelo Datafolha e pelo IBOPE em oposição aos institutos SENSUS e Vox Populi, sob o título de As pesquisas da RBS, em 2002, e a campanha Zero Fora, artigo meu de 2002, publicado originalmente no Observatório da Imprensa, Triangulação de Interesses.
Nele, eu abordava o papel manipulador da RBS. Na época como agora, os instituto de pesquisa não passam de instrumentos de manipulação pelos veículos de comunicação em geral, e do Grupo RBS em particular. Afinal, vivem da e para a manipulação.
Azenha fez o serviço completo, reproduzindo também a carta do presidente da RBS aos ex-assinantes, bom como o editoral que prentendia servir de delação premidada. Sirotsky pensava que confessando o crime teria o perdão para continuar perpetrando seus crimes. Para sobreviver, jogou ao mar o pensador da RBS, José Barrionuevo, afinal pego na Operação Rodin. E Rogério Mendelski, bem remuneração para ser o carrasco do MST.

2002 x 2010
Há grandes diferenças entre 2002 e 2010. E semelhanças.
Vamos começar pelas semelhanças. Não mudou o papel manipulador da mídia, pelo contrário, ficou mais coeso com coordenação centralizada. Os grandes grupos midiáticos estão agindo como um exercíto ainda melhor treinado. Os coronéis estão distribuídos nacionamentel, mas com coordenação ficou centralizada, através do Instituto Millenium, uma espécie de filho temporão da OBAN (Cidadão Boilsen?).
Outra semelhança é que os institutos continuam errando para um lado só, sempre em benefício da direita, que os patrocina. São os chamados financiadores ideológicos. Se na ditadura tinham os Boilesen, hoje há os Gerdaus, as Oldebrech, os Daniel Dantas, as FIERGS & FIESP.
Mas as diferenças também são grandes. A começar por uma internet mais expandida. (Eis o grande motivo que leva os grupos midiáticos porem as garras de fora contra a univesalização da internet, como prova o editorial da RBS de 22/04/2010 Patrulhamento Online.
O exército comandado pelo Instituto Millenium pode ter mais armamentos, mais orçamento, mas os defensores do povo, os guerrilheiros desativadores de bombas também não param de crescer. E o poderio desta guerrilha informal não só não pode ser desprezado como já provou que é capaz de fazer a Globo engolir a merda que defecou, levando a RBS a perpetrar o editorial acima citado.
Quem estiver disposto a ficar melhor informado, confrontem as mentiras que a cada dia são trazidas da ribalta para o palco através do Blogs elencados no Blogroll desta página. Pelo menos quem tem acesso a internet não pode mais justificar seus erros à falta de informação. Só há dois tipos de pessoas que ainda se deixam sodomizar pelo coronelismo eletrônico: os mal informados e os mal intencionados. Que os há, com há!

Clausewitz
A semelhança nos dois episódios nos servem de orientação na ora de nos defendermos. Antes como agora e sempre é o bolso que fala mais alto. Nossa estratégia continua levando em conta a lição de que a melhor defesa é o ataque, mas fazendo um adaptação do conceito de guerra de Clausewitz. Para o filósofo da prussiano “a guerra é a continuação da política por outros meios“. E nós estamos fazendo política com tática de guerrilha, marcando homem a homem, veículo a veículo. Eles têm seus Panzers da Divisão PIG, mas nos temos nossos Vasily Zaitsev entricheirados nos blogs.

Alvos
Enquando o coronelismo eletrônico ataca nossos representantes ideológicos, nosso alvo deve ser os financiadores ideológicos. São os patrocinadores da RBS, Globo, Folha & Estadão que precisam merecer nossa atenção. Não tenhamos dúvida que o boite econômico é arma letal para destruirmos o exército da manipulação. É pelo bolso que eles confessam seus crimes.
Carl von Clausewitz, o Filósofo da Guerra, ensinou que se deve concentral esforços. Foi por isso que o PIG fundou o prostíbulo Instituto Millenium. O que Clausewitz não sabia é que na época da internet é o entrincheiramento de soldados em todos os frontes que determina a resistência a um exército tradicional. As lições que Clausewitz não teve para aperfeiçoar sua filosofia e que nos inspiram: Hitler em Estalingrado, EUA no Vietnã!
Aguardem, vem aí os farrapos do Sul21!

Fonte: http://fichacorrida.wordpress.com/2010/04/26/tudo-como-dantes/

RELACIONADOS

Deixe um comentário