O decano do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Celso de Mello, responsabilizou diretamente o governo Lula pelo mensalão, ao proferir na segunda-feira o seu voto no julgamento do escândalo. Em nenhuma das 29 sessões anteriores se encontrará manifestação de igual contundência e impacto político, no corpo de um libelo de mais de uma hora sobre os efeitos da corrupção para as instituições e a sociedade. Textualmente: “Este processo criminal revela a face sombria daqueles que, no controle do aparelho de Estado, transformaram a cultura da transgressão em prática ordinária e desonesta de poder, como se o exercício das instituições da República pudesse ser degradado a uma função de mera satisfação instrumental de interesses governamentais e de desígnios pessoais”. Note-se: Mello não se fixou no partido no poder, o PT, nem nos seus cúmplices na operação do esquema, mas nos condutores do governo. Só faltou chamá-los pelos nomes, sobrenomes e apelidos.

Desse modo, ele foi muito além de seus pares na rejeição da patranha de Lula e sua gente de que os montantes distribuídos a pelo menos uma dezena de deputados federais no início do seu mandato se destinavam a cobrir dívidas de partidos aliados e a financiar futuras campanhas eleitorais, pelo mecanismo do caixa 2, usado “sistematicamente” no País, segundo o ainda presidente. Dos 10 ministros atuando no julgamento, apenas um, o revisor Ricardo Lewandowski, encampou essa versão pelo valor de face. Até o seu colega Dias Toffoli, que trabalhou para José Dirceu na Casa Civil e servia a Lula como advogado-geral da União quando o escândalo rebentou, entendeu que o mensalão foi concebido para comprar apoio parlamentar ao governo. (As ministras Cármen Lúcia e Rosa Weber ainda não deram a conhecer a sua opinião.) “Não se pode cogitar de caixa 2 nem mesmo coloquialmente”, fulminou o presidente da Corte, Carlos Ayres Britto. “Ao contrário da roupa no tanque, quanto mais se torce a verdade, mais ela encarde.”

Na sessão que terminou pela condenação unânime dos políticos indiciados por corrupção passiva, notadamente o ex-presidente do PTB Roberto Jefferson e o do PL (atual PR) Valdemar da Costa Neto, foi Britto quem mais esteve perto, depois de Celso de Mello, naturalmente, de conectar o mensalão ao Planalto. Ao apontar a “arrecadação criminosa de recursos públicos e privados para aliciar partidos e corromper parlamentares”, afirmou que o esquema fazia parte de um “projeto de continuísmo político idealizado por um núcleo político”. Mello foi mais explícito ao falar em “altos dirigentes do Poder Executivo e de agremiações partidárias” – numa evidente referência aos principais réus políticos do processo, que começam a ser julgados hoje: o ex-ministro Dirceu, o presidente à época do PT, José Genoino, e o então tesoureiro da legenda, Delúbio Soares, acusados de corrupção ativa e formação de quadrilha. Adiantando-se a eventuais alegações dos seus defensores e correligionários, Mello observou que o STF está respeitando os direitos e garantias dos réus, sem “flexibilizar” uma coisa ou outra.

Mas não deixou de assinalar, pouco depois, que a corrupção parlamentar – alimentada por “transações obscuras idealizadas e implementadas em altas esferas governamentais” – deve ser punida “com o peso e o rigor das leis”, por configurar uma tentativa criminosa de manipular o processo democrático. A “aliança profana entre corruptos e corruptores”, sendo os primeiros “marginais do poder”, como os qualificou o ministro, constitui uma “perversão” da ordem graças a qual “o Estado brasileiro não tolera o poder que corrompe e nem admite o poder que se admite corromper”. A exposição de Celso de Mello parece encarnar a virada de página na vida institucional do País que a Suprema Corte demonstra almejar, em última análise e em boa hora, com o julgamento do mensalão.

Não apenas pelos seus votos, mas pelos princípios que os embasam, ao lado do exame dos fatos contidos nos autos, os ministros consagram o direito dos cidadãos de exigir, como destacou o decano, “que o Estado seja dirigido por administradores íntegros, legisladores probos e juízes incorruptíveis”.

Fonte: O Estado de S.Paulo, 03/12/2012

Deixe um comentário

1 comment

  1. Roberto Izumi

    Ao ler os comentarios do Ministro Celso de Mello, este coloca o dedo na ferida da corrupcao do desgoverno Lula bancada por propaganda enganosa(comprando varios meios de comunicacao).
    Acredito que somos, ainda, a minoria nesse cenario de incredulidade do tamanho da roubalheira deste partido dito de trabalhadores, que,alias, deveria ser chamada de Partido dos TTTTrambiqueiro, vergonha nacional.