Quarta-feira, 7 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

“Brasil vai ter de fazer mais para ficar onde está”

O coordenador de Economia Aplicada do Ibre/FGV, Armando Castelar, diz que o risco de a economia brasileira perder o grau de investimento aumentou com a decisão da Standard & Poor’s (S&P) de alterar a perspectiva da nota brasileira. “Quando as agências colocam a perspectiva negativa, é sinal de que, se não mudar, cai”, diz. A seguir, os principais trechos da entrevista concedida a “O Estado de S. Paulo”.

O Estado de S. Paulo: Qual é a avaliação do sr. sobre a decisão da S&P?
Armando Castelar: Eu não tinha uma perspectiva positiva para 2015, mas o primeiro semestre acabou se revelando pior do que as pessoas que estavam mais preocupadas – como eu – esperavam. Em parte, porque não havia uma noção completa da parte fiscal. A situação externa também se mostrou mais difícil. Além disso, quando você está tentando atacar muitos problemas ao mesmo tempo, as políticas em cada direção acabam interagindo negativamente. O país não está apenas resolvendo a parte fiscal, mas também a questão da inflação. Isso forçou o Banco Central a subir muito os juros e aí a política monetária, por sua vez, está prejudicando o emprego. As políticas individualmente estão absolutamente corretas, mas é complicado perseguir todas ao mesmo tempo.

O Estado de S. Paulo: E a questão política, que tem dificultado parte do ajuste?
Armando Castelar: Acho que existia uma visão de que haveria um ano de queda no PIB, o que reduziria a popularidade e criaria um ambiente menos favorável do que em anos anteriores, mas ninguém imaginava que seria na magnitude que estamos vendo. Isso também reduziu muito a capacidade da equipe em dar respostas com mais força aos problemas. Se olharmos o que ocorreu em 1999 e 2003, a capacidade de resposta do governo foi muito maior. Todo esse cenário também levou à queda grande, muito grande, da confiança, que não é só reflexo conjuntural desse ciclo.

O Estado de S. Paulo: Como assim?
Armando Castelar: Acredito que as pessoas estão com um pouco de falta de horizonte com o que vai ocorrer ao fim do ajuste.

O Estado de S. Paulo: Qual é o risco de o Brasil perder o grau de investimento?
Armando Castelar: A chance aumentou. Quando as agências colocam a perspectiva negativa, é sinal de que, se não mudar, cai. Então, o país vai ter de fazer mais para ficar onde está. O governo está nadando contra a maré. É uma situação complicada, mas a resposta continua sendo a mesma de antes: aumentar o superávit primário e trazer a inflação para baixo o mais rápido possível.

O Estado de S. Paulo: O governo alterou as metas fiscais para os próximos anos. Qual o impacto dessa decisão?
Armando Castelar: É menos favorável para a evolução da dívida. Acredito que entra também a questão do crescimento. Essa mudança de postura reflete o fato de que a perspectiva de crescimento está piorando. Já existe uma visão de que, se a economia ficar parada em 2016, será para comemorar.

Fonte: O Estado de São Paulo, 28/7/2015

Um comentário

  1. HOUVE FRAUDE NA ELEIÇÃO:UMA MULHER APARECEU NA INTERNET E FALOU QUE APERTAVA E SÓ DAVA DILMA,UM RAPAZ APARECEU NA INTERNET E FALOU QUE CONTOU OS VOTOS FALSOS E SABIA DAS URNAS FALSIFICADAS.PESSOAS PASSAVAM NA TV EM PGUÁ PARA VOTAR E JÁ TINHAM VOTADO:ENTÃO TOFFOLI FALOU QUE BASTAVAM ASSINAR E FICARIA TUDO BEM,VEJAM AS IMAGENS,FOI TUDO GRAVADO.FALOU-SE NA GLOBONEWS QUE A DILMA FALOU COM O PRESIDENTE DO STF PARA SER ELEITA.:ELA ESTÁ SE SAINDO IGUAL AO LULA QUE FALOU EM2010 COM O ROBERTO MARINHO,RADIOS,OURO VERDE,TRANSAMÉRICA,GLOBO,TV BANDEIRANTES,7 JORNALISTAS.FALAM QUE ATÉ OS FALECIDOS VOTARAM.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.