Quinta-feira, 8 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Crise. E agora?

Com a crise econômica, os atrasos nos pagamentos tendem a se intensificar. O menor poder de compra devido à inflação e o maior endividamento das famílias sinaliza para um quadro de endividamento. Neste cenário, as pequenas empresas podem se tornar um alvo mais fácil da inadimplência. Mas como se prevenir e se preparar para enfrentar um período arriscado?

Em entrevista ao Instituto Millenium, o economista Julio Hegedus recomenda que os negócios se adequem à realidade para sobreviver. “Como as empresas menores possuem baixo poder de barganha junto aos bancos acabam sendo mais afetadas. Elas devem cortar gastos e buscar parcerias”, diz ele.

O economista ainda chama atenção para os erros que os empreendedores mais cometem em períodos de crise e destaca algumas medidas que ajudam a proteger os negócios da inadimplência. “As pequenas empresas devem aumentar as exigências nas suas relações comerciais”, explica ele. Abaixo uma lista com os principais passos para receber dentro do prazo e manter as contas em dia:

-Cortar gastos
-Buscar parcerias
-Trabalhar com baixo volume de estoque
-Verificar situação do consumidor no SPC
-Crescer aos poucos, evitando criar dívidas
-Planejar o uso do capital de giro e só retirar o necessário

Leia também a entrevista completa e saiba mais:

Instituto Millenium: É grande a inadimplência entre as pequenas empresas? O impacto de um cenário de crise sobre elas é maior do que entre as grandes empresas?
Julio Hegedus Netto: Com a taxa de juros elevada, o crédito restrito, baixa geração de caixa e dificuldades na obtenção de financiamentos, as empresas estão sim ingressando num ciclo de endividamento e inadimplência. Segundo a Serasa Experian, em maio a inadimplência nas empresas aumentou 10,4% contra igual mês de 2014, acumulando no ano 11,7%. Contra o mês anterior, o aumento foi de 3,7%. Como as empresas menores possuem baixo poder de barganha junto aos bancos acabam sendo mais afetadas. Um mecanismo alternativo seria o BNDES, mas este também tende a ser muito seletivo na concessão de crédito, assim como os bancos comerciais privados e os públicos, que são um pouco menos.

Instituto Millenium: Como o empreendedor pode se preparar para enfrentar esse cenário arriscado? Existe alguma medida preventiva que ele possa aplicar para reduzir os riscos?
Hegedus Netto: Acho que ele deve cortar gastos, se moldar à realidade de crise, e buscar parcerias. Deve também trabalhar com baixo volume de estoques, dada a fraca demanda.

Instituto Millenium: Existe um limite aceitável de inadimplência? Quando o empreendedor deve acender o sinal de alerta?
Hegedus Netto: Não acredito em limite aceitável. Deve ser o menor possível. Se houver um limite aceitável de inadimplência este deve estar ligado à capacidade da empresa rolar suas obrigações a pagá-las dentro de um prazo aceitável.

Instituto Millenium: O que as pequenas empresas podem fazer para se proteger de consumidores inadimplentes? Como avaliar a capacidade de crédito de um cliente em potencial?
Hegedus Netto: As pequenas empresas devem aumentar as exigências nas suas relações comerciais, tentar saber qual é a situação do consumidor, saber se ele está ou já esteve no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) etc.

Instituto Millenium: Em cenários de crise econômica, quais são os erros que os empreendedores mais cometem?
Hegedus Netto: Se endividar em excesso no início do processo, não planejar seu capital de giro, não crescer organicamente, aos poucos, dar passos maiores que a sua capacidade. Acho que as retiradas só devem se limitar ao essencial, à capacidade da empresa de gerar fluxo de caixa. Tem que ter recursos para o dia a dia.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.