Domingo, 4 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Marcos Lisboa: “Escolha populista dos últimos anos adiou enfrentamento dos problemas”

Para o presidente do Insper, Marcos Lisboa, a perda de grau de investimento por uma segunda agência reflete a deterioração econômica dos últimos anos. “O Brasil tem um grave problema fiscal que não é de hoje”, diz. Na avaliação de Lisboa, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, a reconstrução da economia será uma longa agenda. “A escolha populista dos últimos seis anos adiou o enfrentamento dos problemas”, afirma. A seguir, trechos da entrevista concedida ao Estado.

Como o sr. analisa a perda do grau de investimento?

A perda de grau de investimento reflete a deterioração que o País tem vivido. O Brasil tem um grave problema fiscal, que não é de hoje e vem de alguns anos. O problema resulta no crescimento continuado do gasto público obrigatório acima do PIB. Nos últimos anos, foi agravado pela política de concessão de subsídios e outras políticas expansionistas que acabaram piorando ainda mais o problema. No ano passado, por exemplo, houve uma forte expansão dos gastos públicos, resultando nessa grave recessão. Se não forem feitas reformas estruturais que sinalizem nos próximos anos que a trajetória de expansão do gasto público será interrompida, a crise vai continuar se agravando.

Qual pode ser o destino da economia se essas reformas não forem realizadas?
É uma trajetória de aumento continuado do endividamento público, que começa a gerar dúvida sobre a sustentabilidade das contas públicas e em que medida o governo vai ser capaz de honrar os seus compromissos nos próximos anos. E a tentativa de evitar esse problema via aumentos de impostos – como tem ocorrido – não tem sido eficaz e prejudica ainda mais o ambiente de negócios. Os aumentos que vão ocorrendo atabalhoadamente deprimem ainda mais o ambiente de negócios. Ou se enfrenta as reformas estruturais necessárias ou a crise vai continuar se agravando.

Quanto tempo se leva para o Brasil voltar a ser um país com grau de investimento?
A reconstrução do País vai tomar muito tempo. A escolha populista dos últimos seis anos adiou enfrentar os problemas. Enquanto o resto do mundo fez reforma da Previdência, se preparando para uma população que está envelhecendo, por exemplo, o Brasil se recusou a fazer isso.

Quais foram as decisões adotadas pelo governo?
Houve acúmulos de benefícios. Nos últimos anos, o governo adotou uma quantidade impressionante de políticas públicas sem avaliação. Políticas, às vezes, bem intencionadas mas sem qualquer avaliação. Utilizou-se subsídios para diversos setores, regras de conteúdo nacional. Uma série de políticas sem meta de resultado, sem avaliação, sem transparência. O que nós temos hoje é um Estado relativamente grande, bastante grande, se comparado aos nossos pares, e políticas públicas menos eficazes do que os demais países.

Como resolver essa questão?

Precisa haver uma discussão grande, longa e profunda para avaliar quais são as políticas públicas eficazes. Muitas vezes as políticas são destinadas para os grupos mais ricos. É preciso ter uma avaliação cuidadosa. E, com um debate democrático deliberar, sobre quais políticas têm de ser preservadas, quais protegem os programas universais e fundamentais da cidadania, quais beneficiam grupos que não estão entre os mais vulneráveis, e quais são ineficazes.

Essa agenda está no governo?

Estou um pouco menos pessimista do que estava um ano atrás. Os problemas do Brasil não são novos e já estavam aí um ano atrás. Havia uma dificuldade de enfrentar os problemas e discutir. Infelizmente, parece que a gente prefere esperar a doença se manifestar para começar a tomar as medidas necessárias. Hoje, o País começa a discutir essa agenda de reformas. Ainda é uma discussão preliminar e acho que falta um debate mais profundo. Mas é um debate difícil porque tem de ir no detalhe das diversas políticas, saber o desenho específico. É importante conhecer as demais experiências – como é que são as regras de Previdência nos demais países, por exemplo. Essa é uma agenda grande, de muitos temas. É uma agenda para ser implantada em uma década, duas décadas.

Fonte: O Estado de S. Paulo, dia 17/12/2015

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.